Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/
Terça-feira, 3 de Agosto de 2010

O DIABO E OS SEUS COMPANHEIROS DE ONDE VÊM? O que é o Diabo, onde está o Diabo, e quem é o Diabo? (PARTE 4)

Mas a tentativa de desviar as forças do mal por constrangimento quase mágico e compulsão prontamente deu lugar a métodos de persuasão, que por sua vez levou a estabelecer um acordo ou pacto com o diabo.

 


Instâncias do pacto ocorrem a partir do século 4 em diante, mas o caso mais célebre de popular
mitologia popular é o de Fausto. Uma espécie de diabolatria (crença no poder quase ilimitado
do Diabo), que floresceu entre os primeiros Luteranos, deliberou a condenação eterna para Fausto,
e tanto mais porque ele tinha o recurso à mágica, a fim de satisfazer o seu desejo do conhecimento. Fausto, também chamado Faustus, ou doutor Fausto, foi o herói de um das mais duradouras
lendas do folclore e da literatura ocidental, a história de um necromante ou astrólogo alemão
que vende a sua alma ao diabo em troca de conhecimento e poder. Houve, de fato, um Fausto histórico, que mais uma vez aludiu ao diabo como o seu Schwager, ou compincha. Ele morreu
em 1540, deixando uma lenda emaranhada de feitiçaria e alquimia, astrologia e adivinhação, estudos teológicos e diabólicos, e necromancia. Referências contemporâneas indicam que ele era
viajado e muito bem conhecido, mas todos os observadores testemunham a sua má reputação. Estudiosos humanistas contemporâneos zombavam das suas proezas mágicas como mesquinhas e fraudulentas, mas foram levadaa a sério pelo clero Luterano, entre eles Martin Luther e Philippe Melanchthon.


Os magos do faraó, cujo sonho José interpretou, eram, pela palavra usada para descrevê-los, horoscopistas ou astrólogos. Assim também eram aqueles que o Faraó mais tarde chamou em
vão para ultrapassarem o poder de Javé demonstrado por Moisés. Esses magos admitiram apenas a quando da terceira praga que seus poderes foram meras trapaças, declarando, “este é o dedo de Deus!”


Os magos a serviço de tanto de Nabucodonosor como de Belsazar, descritos no livro de Daniel, eram da mesma natureza. Simão, um residente de Samaria, usava “mágica”. Somos informados de que ele conseguiu convencer as pessoas por sua astúcia que ele era “Ora, havia certo homem, chamado Simão, que ali praticava a mágica, iludindo o povo de Samaria, insinuando ser ele grande vulto; ao qual todos davam ouvidos, do menor ao maior, dizendo: Este homem é o poder de Deus”, Atos 8:9-11. Simão, que sem dúvida, se sentiu ameaçado pelo inegável poder do Espírito Santo, em Pedro e João, em primeiro lugar ofereceu uma grande quantia em dinheiro para obter parte desse poder. Quando Pedro se recusou, e expôs os motivos egoístas do mágico, ele assim como os astrólogos do Faraó, reconheceu que este, em contraste com sua própria astúcia, era o poder de Deus.


Logo no início do século 17(1) o Francês Henri Bouguet produziu Discursos sobre a Feitiçaria. Este era para ser usado como um manual para a deteção, apreensão e punição de bruxas. Mesmo
crianças eram torturadass e mortas, se eram consideradas bruxas. É realmente irónico que a
feitiçaria é uma prática notável da Babilónia, a Grande, o próprio sistema que supervisionou a
destruição dos hereges, acusando-os de feitiçaria.


“... Todas as nações foram seduzidas pela tua feitiçaria(pharmakeia = mágica). E nela se achou sangue de profetas, de santos e de todos os que foram mortos sobre a terra.”(Apocalipse 18:23 - 24).


Esta palavra, literalmente, refere-se à mistura de poções e venenos, que é frequentemente envolvidos na prática de feiticeiro. Pode ser visto noutra outra descrição do mesmo sistema em Apocalipse 07:04 de uma “mulher... tendo na mão um cálice de ouro transbordante de abominações e com as imundícias da sua prostituição”(suas doutrinas venenosas). Todos os que têem absorvido os seus falsos ensinamentos foram enganados por eles. Parte do vinho é a crença em um espírito do mal pessoal, o diabo e seus demônios. O prato “nobre” entregue a Sísera levou-o à sua morte prematuro (Juízes 5:25), e a taça agora oferecida pela“Babilónia, a Grande" brilha de ouro, e o simplório que bebe “sem saber que isto lhe custará a vida”(Provérbios 7:23). Tudo porque ele se recusa a ler as Escrituras por si mesmo, e em vez disso coloca o seu bem-estar eterno nas mãos
de um “mercenário””(João 10:12-13).


Magia e bruxaria têm as suas origens na paganismo antigo. Estas práticas foram encontrados em
Canaã, quando Israel chegou. A lei de Moisés legislava contra isso “A feiticeira não deixarás viver.”(Êxodo 22:18). A bruxa que Saul consultou também era uma necromante, que foi convidada pelo rei a fazer “subir” o que estava morto (1 Samuel 28). “Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos;

pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR”(Deuteronómio18:10-12). A má rainha Jezabel era notória pela seu uso assíduo da bruxaria (2 Reis 9:22). O rei Manassés foi, evidentemente, treinado desde a infância, para que ele “adivinhava pelas nuvens, era agoureiro, praticava feitiçarias, tratava com necromantes e feiticeiros e prosseguiu em fazer o que era mau perante o SENHOR, para o provocar à ira”(2 Crónicas 33:6). Ambos Nínive e Babilónia
foram campeões e divulgadores de feitiçaria, e por isso foram levados à destruição por Deus
(Isaías 47:9-12; Naum 3:4). Porque eram estas práticas tão odiosas para Deus? Porque elas ensinaram que o homem tem uma natureza divina (a alma imortal), que é uma mentira (ver Ezequiel 18:04, 20).



A Magia e a bruxaria também se encontravam no mundo Gentio em que os apóstolos de Cristo
foram pregar o evangelho. Como vimos, tempos mais tarde, quando a igreja tornou-se
corrompida, magia, bruxaria e sua assistente filosofia foram aceites como verdadeiros poderes.


“Os clérigos, quer de ofício ou a partir da ignorância, favoreceram o progresso(2) de uma crença
que certamente contribuiu de forma poderosa, para alargar a sua autoridade sobre a mente humana”


O mesmo autor refere-se às enormes ficções sendo divulgadas, sobre as façanhascde espíritos malignos. Por exemplo, o sucesso das incursões dos sarracenos, e mais tarde os turcos, no Médio Oriente Cristão, foi atribuído a intervenção de hordas de demónios. Estes relatos fictícios não eram menos liberais em atribuir aos Cristãos meios extraordinários de defesa por meio da proteção direta dos “santos” mortos, que possuem o poder de fazer milagres, tal como é referido em 2 Tessalonicenses 2:8-9.


Restos das superstições pagãs são percebidas pelo autor acima referido no seu próprio país, na Escócia. “As tribos celtas ... possuía, ... uma tendência natural para a adoração do o princípio do mal. Eles achavam que vale a pena propiciar-lhes vários ritos e orações.” Restos dessas superstições foram registados em 1769, quando um notável viajante(3) testemumhou a cerimónia do Baalltein, Beltane, ou Primeiro de Maio, nas terras altas. Bolos especiais eram ritualmente preparados, depois, eram oferecidos às feras que eles, ou melhor, os seres, dos quais eram agentes, poderiam poupar os rebanhos e manadas. O viajante menciona que um outro festival do mesmo tipo que foi, no seu tempo, observado em Gloucester. Outro costume permaneceu na Escócia até mais tarde. Em muitas paróquias existia por muito tempo mesmo contra uma ordenança da igreja para parar com isso, uma certaporção de terra, chamado Croft de Gudeman. Nunca era arada ou cultivada, mas era preservada no seu estado selvagem nativo, como o Temenos de um templo pagão. O Croft de Gudeman era considerado como a porção do próprio arqui-demónio. Se um arado entrasse no seu solo, o espíritos elementares testemunhariam o seu descontentamento com tempestades e trovões. Na memória de Scott, muitos lugares como esse, santificados à esterilidade por alguma superstição popular, existiam, tanto no País de Gales e na Irlanda, bem como na Escócia. Pela mesma razão,
montes chamados Sith Bhruaith(4) eram respeitados, e era considerada ilegal e perigoso cortar
madeira, cavar a terra, remover pedras, ou perturbar-los de alguma forma.

 

Não estaria fora de lugar para deixar claro a atitude de Scott em relação às Escrituras(5) ao
relatar um incidente cerca de uma semana antes da sua morte. Sir Walter Scott disse ao seu genro, “Lê-me o livro”, e quando a recebeu uma questão como resposta era: “Que livro?", o autor moribundo respondeu “Será que é preciso perguntar isso?” – Só existe um. Scott explicou a longa continuação das superstições pagãs antigas primeirmente referindo-se ao modo de conversão das pessoas ao Cristianismo. Seria difícil de imaginar aqueles que foram convertidos em massa ter adquirido um conhecimento do Cristianismo, no sentido verdadeiro e perfeito da palavra. Era frequentemente o caso que uma tribo inteira assumia a religião que um dos chefes favorecido tinha
escolhido, cujo exemplo seguiam simplesmente por amor e lealdade ao mesmo. Estes conversos precipitados, professando-se cristãos, não foram demovidos da sua antiga crença, nem
instruídos na sua nova crença. Habituados a uma pluralidade de divindades, eles podiam muito bem ter sido da opinião que, ao adoptar o Deus dos Cristãos, eles não haviam renunciado do serviço a
qualquer poder inferior.

 

Depois da vitória de Constantino a favor dos Cristão, tornou-se um crime um Cristão converter-se a Pã ou Ceres. Isto seria voltar a trás aos ritos do paganismo, e seria excomungado. Mas ele ainda podia andar na sua superstição, sendo deixado em liberdade para temer estas divindades antigas nas suas novas capacidades, como demónios. Assim, embora os tronos de Júpiter, e das divindades superiores do Panteão pagão, fossem totalmente derrubados e quebrados em pedaços,
fragmentos ds sua adoração, e muitos dos seus ritos, sobreviveram à conversão ao Cristianismo.


Isto pode ser visto em superstições que chegaram aos nossos tempos. Nas costas do Mar Báltico era adorado Deus rio ou oceano, Nixas ou Nicksa. Em meio à penumbra dos invernos e tempestades avassaladoras dessas regiões sombrias, esse demônio foi escolhido como o pois mais adverso ao homem. Intimamente relacionado num aspecto mais suave com algumas Naiads da Alemanha,
chamadas Nixa. O Velho Nick, conhecido na Inglaterra, é igualmente um descendente genuíno do deus do mar do norte. O marinheiros Britânicos, que não temiam mais nada, confessavam o seu terror deste terrível ser. O Bhar-guest, ou Bhar-Geist, era conhecido em várias partes da Inglaterra, e particularmente em Yorkshire, também chamado de Dobie, um nome de origem teutônica.


Devemos notar que a crença em fadas e outros espíritos menores, apenas de passagem, embora Scott tenha escrito um capítulo inteiro sobre o assunto como uma outra indicação da propensão da natureza humana para tal crença. O poeta Chaucer em “A esposa de Bath's Tale” , retrata de forma artística quão cheia de fadas estava a antiga Grã-Bretanha, e as mentes dos Celtas. Ele fala em seguida, em levantar dúvidas sobre essa crença ainda remanescente no tempo Eduardo III:

 


“Nos velhos tempos do Rei Artur,
Do qual os Bretões falam com grande honra,
Toda esta terra se encheu de fadas;
A rainha Elfica, com sua companhia alegre,
Dançava muitas vezes em muitas pradarias verdes... "


O bardo de Woodstock segue e mostra que o efeito da pregação dos frades itinerantes
causou uma grande queda para tal crença. Quando nós vemos a opinião que manifestou Chaucer
sobre o clero regular do seu tempo, em algumas de seus outros contos, somos tentados, observa Scott, a suspeitar de alguma mistura de ironia no elogio. Dr. Corbett, Bispo de Oxford e de
Norwich no início do século 17, “um poeta com uma veia de humor não indigno do próprio Geoffrey,” escreveu O Adeus às Fadas e atrasou o seu desaparecimento final da fé popular em fadas até ao reino da Rainha Elizabete.


“... Lamentem, lamentem, velhos abades,
O comando das fadas perdido;
Elas mudavam os bebés dos padres,
Mas algumas mudaram a vossa terra;
E todos os vossos filhos se originam daí
Agora são Puritanos crescidos ...
Ao que podemos constatar, as fadas
Eram da antiga profissão,
Suas canções eram Ave Marias,
Suas danças eram procissões,
Mas agora, infelizmente! todos elas estão mortas ...”


Damos um olhar furtivo final à época das fadas, quando Scott, cita Descoberta da Bruxaria de Reginald Scot, 1584. A mistura de crenças com a do Diabo é bastante reveladora.
"Um patife num lençol branco enganou e abusou de muitos milhares, especialmente quando Robin Bom-Rapaz (uma fada) mantinha esse tipo de coisas no país. Na nossa infância, as nossas amas nos aterrorizavam com um diabo medonho com cornos na cabeça, fogo na boca, e com rabo; olhos profundos como um poço, presas como as de um cão, garras como de um urso... e uma voz bramando como um leão, e por isso nos assustávamos e ficávamos com medo quando alguém gritava “Buuuuuuuuu!” e eles nos amedrontaram de tal maneira com bichos papões, espíritos, bruxas, diabretes, elfos, feiticeiras, sátiros, Pã, faunos, silvanos, tritões, centauros, anões, gigantes, mafarricos, conjuradores, ninfas, mutantes, íncubos, a fada Robin Bom-rapaz, […] e outros tais papões, que até tínhamos medo das nossas próprias sombras, de tal maneira, que muitos nunca têm medo do diabo a não ser numa noite escura; e então até uma ovelha sem chifres é uma fera perigosa, e muitas vezes é tomada como a alma do nosso pai, especialmente num cemitério onde um homem correto e rijo nunca deveria passar de noite já que o seu cabelo até se poria de pé. Bem, graças a Deus, que esta malvada e cobarde infidelidade, desde da pregação do Evangelho, é em parte esquecida, e sem dúvida (ele esperava em vão!) o resto destas ilusões irão, dentro de pouco tempo, pela graça de Deus, serão detectadas, e desaparecerão.”

 

Infelizmente, muitos ainda se apegam à velha ilusão – o medo do diabo e dos seus demónios ainda está firmemente enraizado na Cristandade deste dia.


Por outro lado, pode ser visto a crença no poder das bruxas. Tácito escreve sobre as mulheres entre as tribos Alemãs, dizendo palavras na direção dos seus exércitos. A mais bem sucedida tornou-se Haxa, ou a sacerdotisa principal, a partir da qual vem da palavra
Hexe, agora usado em Inglês para descrever uma bruxa ou feitiço(hex). Assim que a tribo foi convertida ao Cristianismo, as bruxas perderam o seu alto respeito e tornaram-se odiosas. Se elas pretendiam manter a sua influência eram desprezadas como impostores ou temidas pelo seu poder, sob a convicção de que estavam em conluio com o diabo.


"Assim a acusação de bruxaria levou à tirania, ou política, os meios para atacar pessoas às quais não podiam ser convictas de qualquer outro crime, a aspersão em si foi gradualmente tendo mais força com o aumento de terror, como se espalhando cada vez mais e se tornando mais contagiante. "


Em 1398 a Universidade de Paris, estabeleceu as regras para a perseguição judicial das bruxas,
alegando que o crime era mais frequente que nunca. Isto tornou-se auto-realizável, quando a publicidade aumentou de cada vez mais bruxas eram encontradas, excitando a atenção do público e
gerando a descoberta acelerada do número de bruxas.


Por volta desse tempo, cismas, decorrentes de diferentes causas, muito alarmavam a Igreja de
Roma. O espírito universal da investigação vinha agora à tona, embora tendo um sentido diferente em diferentes países. Mas em quase todas eles foi despertada a insatisfação cética dos dogmas da igreja. Não só o ensino, mas a corrupção dos costumes entre o clero, muitos dos quais haviam chegado à riqueza e à vida fácil à custa dos paroquianos pobres. Em quase todas as nações da Europa, não se escondia, na cidades lotadas, ou na solidão selvagem do país, principalmente as seitas que concordaram na sua animosidade para com a supremacia de Roma, e o seu desejo de se libertarem da sua dominação. Os Romanistas tornaram-se extremamente desejosos de combinar a
doutrina dos hereges com a da bruxaria, o que, de acordo com o seu entendimento, abundavam onde
os grupos que protestavam contra Roma eram mais numerosos. E assim lançaram a acusação de feitiçaria sobre aqueles que discordavam do padrão da fé Católica.

 

O Papa Gregório IX funda a Inquisição em 1231 e ordena a investigação do grupo
que eles chamaram de Luciferianos. Devido à oposição deles a Roma, foi decidido que eles deviam ter feito um pacto com o principal inimigo da Igreja, Lúcifer, o Príncipe das Trevas.


O Jesuíta Delrio, no seu livro de Magia, acusou os que protestavam de estarem em conluio com o diabo na sua luta contra a igreja. Inocêncio VIII (1484 to1492) emitiu uma bula, dizendo: “Chegou
aos nossos ouvidos que os números de ambos os sexos não evitam ter relações sexuais com os demónios infernais, e que, pelas suas feitiçarias afligem tanto o homem como animais; que queimam o leito do matrimónio, destroem os partos das mulheres, e o aumento de gado, eles queimam o milho ainda na haste, as uvas na vinha, os frutos nas árvores, o capim e ervas do campo.” Os inquisidores eram em seguida, chamados a “condenar, prender e punir.” etc. Para projetarem o massacre que se seguiria, Inocêncio nomeou dois Dominicanos como Inquisidores. Eles escreveram em conjunto Malleus Maleficarum, O Martelo das Bruxas em 1486. É realmente um manual para encontrar e punir as bruxas. Ele contém uma teologia cheia de feitiçaria que é
insuperável em disparates que são apresentados como análise científica. Durante três séculos, esteve no banco de cada juiz e sobre a mesa de cada magistrado. Logo no início do manual é indicado que
Satanás influencia diretamente os seres humanos, mesmo a ponto de mudar-lhes a sua forma e causar-lhes dano permanente.


De Rosa observa, ninguém podia explicar por que as bruxas, consideradas como os porta-vozes do Diabo, aparentemente tão formidáveis, permitissem ser capturadas, torturadas e queimadas. Não há uma instância sequer de registo de uma bruxa que com sucesso amaldiçoasse um inquisidor ou sobrevivesse ao fogo.

 

Um cronista da época, Enguerrand de Monstrelet, mostrou como as reuniões secretas dos grupos que protestavam contra Roma, se realizavam sobre a sombra da noite nalgum local solitário, foram declaradas Sábados das bruxas e demónios. Naquele ano, ele regista, vários homens e as mulheres de baixa patente, pertencentes aos Waldenses na cidade de Arras, na França, foram presos e encarcerados. Eles eram tão terrivelmente torturados, que concordavam com a sugestão de que
suas reuniões, eram com o Diabo, de quem recebiam instruções e algum dinheiro. Uma refeição com ele era seguida por uma cena de desregramento geral, após a qual todos iam para casa. Mais tortura persuadiu-os a aceitar a sugestão de que os seus superiores também estavam envolvidos com o Diabo, de seguida os seus mestres eram também detidos, presos e torturados até confessar crimes similares. Então os pobres eram mortos e queimados, enquanto que os mais ricos eram permitidos banimento à custa de todos os seus bens.


Em 1488 o campo em torno da cidade Alemã de Constança, foi assolada por um raio e tempestade. Duas mulheres foram feitas para confessar culpadas como a causa da devastação, e foram mortas pelo seu crime. Cerca de 1515 quinhentas “bruxas protestantes” foram executadas em Genebra. Em Lorena o inquisidor Remigius vangloriou-se de matar novecentas pessoas em quinze anos. Em 1524, mil pessoas foram condenadas à morte num ano em Como, Itália, seguido por uma centena cada ano durante vários anos. Esta é a penas um mero vislumbre do que estava acontecendo em toda a Europa. Na França no século seguinte, não viu centenas, mas milhares queimados na guerra da Igreja contra o Diabo. Então, de repente, em 1657, sem aviso ou explicação, foi indicado pela
Inquisição romana que os inquisidores tinham cometido erros durante um longo tempo. Não houve explicação porque os papas tinham afirmado a realidade das bruxas. Durante vários séculos foi aceite pela igreja que o Diabo dominava mais da metade da Cristandade. De repente, todo esse ensino foi abandonado. Depois veio o édito de Louis XIV em 1672, pondo fim a todas os
processos por bruxaria, após o qual nunca mais se ouviu falar desse crime. Seis anos antes, a Academia Francesa de Ciências tinha sido fundada. A ignorância e a superstição começaram a recuar. Fenómenos que tinham sido atribuídos à operação de seres espirituais, eram agora considerados pelos princípios da natureza. A massa de opiniões antigas sobre miríades de criaturas espirituais, praticando a sua maldade sobre a humanidade infeliz, começaram a ser ridicularizadas e rejeitadas pelos homens de bom senso e educação.

 

(continua)

 

Arthur Bull


Notas de Rodapé


1. Peter de Rosa, autor de Vigários de Cristo – o Lado Negro do Papado (publicado em 1988) é um graduado da Universidade Gregoriana, em Roma, e professor, em Londres. Ele deixou o sacerdócio em 1970, depois casou, tem filhos, proclama ainda ser um “católico patriótico”.


2. Sir Walter Scott, foi um escritor escocês, poeta, historiador, e biógrafo, que é frequentemente considerado o inventor tanto e o maior praticante do romance histórico. As suas Cartas em Demonologia e Bruxaria foram publicadas em 1831, perto do fim da sua vida.


3. Citado por Scott do jornal escocês Pennant Scottish Tour, por Thomas Pennant.


4. Citado por Scott de Ensaio sobre a Comunidade Subterrânea , de Sr. Robert Kirke, o ministro de
Aberfoyle.


5. Narrado por Claud Lamb em Glad Tidings(Boas Novas) , número 1180, pág. 14.

 

publicado por boasnovasreinodeus às 16:30
link do post | comentar | favorito
|

Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/

Contacto

Email para colocar questões ou pedir curso Bíblico grátis: curso_gratis@hotmail.com

pesquisar

 

Formspring

posts recentes

A HERANÇA DOS SANTOS É CE...

O Caminho da Vida - O que...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

O Sábado na Dispensação C...

Guardar o Sábado

Lúcifer - A verdade sobre...

POSSESSÃO DEMONÍACA

O Caminho da Vida - 1 - A...

O Diabo e Satanás

"... que sinal haverá da ...

"Vós sois as minhas teste...

Êxodo

Génesis

Céu e Inferno

Refutação - Sábado - Adve...

O Verdadeiro Sábado

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

arquivos

Maio 2013

Novembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

GeoCount


contador gratis

links

subscrever feeds