Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/
Terça-feira, 3 de Agosto de 2010

O DIABO E OS SEUS COMPANHEIROS DE ONDE VÊM? O que é o Diabo, onde está o Diabo, e quem é o Diabo? (PARTE 3)

Referência já foi feita à “tradição dos anciãos”, que Jesus completamente denunciava, e advertiu seus discípulos para estarem alerta sobre com isso. Como vimos, essa modificação, e substituição posterior da palavra escrita de Deus não é uma característica exclusivamente Judaica. Os Gentios da igreja Cristã mais do que repetiram a história. Em vez dos “anciãos” Judeus, há agora os “Pais da Igreja” do que nós chamamos de apostasia Cristã. Isto pode parecer uma maneira de falar dura, cruel e inclemente de indivíduos altamente venerados. Os seus escritos parecem receber a deferência logo a seguir da Sagrada Escritura, se não for mesmo recebidos com igual ou ainda maior autoridade. Isto está intimamente associado com a doutrina da sucessão apostólica, que aceita a alegação de que o Espírito Santo continua a guiar e inspirar as palavras dos líderes da igreja. Mas o que podemos aprender desses primeiros Pais da igreja Cristã, assim chamados em oposição ao mandamento de Jesus “a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus” - Mateus 23:09?


Justino Mártir era originalmente um adorador dos deuses pagãos, mas ele estava disposto a ouvir o que os Cristãos tinham a dizer. Foi-lhe dito que a mente humana está infestada por forças demoníacas que distorcem e confundem o seu pensamento. Ele tinha que receber o Espírito Divino para iluminar a sua mente. Mas primeiro ele teria que se submeter a exorcismo. Tendo solicitado o batismo, foi-lhe perguntado se ele estava disposto a “renunciar ao diabo e seus anjos”, que incluía os deuses, aos quais agora via como espíritos maus. Ele foi então informado de que tinha que receber o Espírito Divino, um poder para iluminar a sua mente. O celebrante, em seguida, invocou que o Espírito descesse sobre ele. Como um novo Cristão, Justino agora via todo o universo como um campo de batalha onde se confrontam forças cósmicas. Enquanto ele era um pagão, ele vira-se sujeito a diversas forças humanas e divinas. Agora, ele via todos os problemas como sendo demoníacos. Ele atribui aos Cristãos o poder de exorcizar os demónios. “But(1) ele não produz nenhuma instância particular de um exercício de poder milagroso, e, portanto, mão nos oferece nenhuma oportunidade de aplicar os testes pelos quais a credibilidade dos milagres devem ser julgados”.


Taciano disse aos pagãos que todos os poderes sobrenaturais que eles adoravam eram seres malignos que os mantinham cativos. Ele disse que todos os poderes que eles adoravam não eram nada mais do que a precipitação continua de uma rebelião cósmica primordial. Ele disse que inicialmente todos os seres sobrenaturais eram livres, mas ele explica, com base em relatos Judaicos da queda dos anjos - “o primogénito destes se rebelou contra Deus e se tornou em demónio ... e aqueles que o imitam ... e as suas ilusões , tornaram-se um exército de demónios”. Este enxame de demónios enfurecidos quando punidos pela sua apostasia, são, no entanto, demasiado fracos para retaliar contra Deus. Impedidos de destruir totalmente o universo, dirigiram todas as suas energias para escravizar a humanidade. “Foram os demónios”, explicou Taciano, “os filhos dos anjos caídos que inventaram o destino”. Taciano desafiou abertamente a autoridade dos governantes pagãos. Ele disse que a fidelidade a Deus libertava "o crente de inumeráveis tiranos demoníacos e, simultaneamente, de todos os milhares de governantes humanos que eles secretamente controlam”.


Orígenes foi além de Taciano. Depois de ver o pai morto pelas autoridades pagãs, ele resolveu ser um guerreiro do lado de Deus contra as forças de Satanás. Ele se tornou o primeiro Cristão a defender publicamente que as pessoas têm um direito moral inato para assassinar tiranos. Ele escreveu, "... os Cristãos quando tiranizados ... pelo Diabo, devido a associações contrárias às leis do diabo ... a revoltarem-se contra um governo que é bárbaro e despótico”. Ele caracterizou todas as leis e as pessoas hostis aos Cristãos como inspiradas pelo demónio . Esta atitude em relação a governos vai contra o que o apóstolo Paulo disse –

 

“Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à potestade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. Portanto é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência” (Romanos 13:1-7).

 

Orígenes disse que Jesus morreu “para destruir um grande demónio ... na realidade, o governante dos demónios, que mantinham em sujeição as almas da humanidade”. Aliás, como mais uma indicação de sua falta de conhecimento da Bíblia, afirmou “com confiança” que Jerusalém, que foi destruída no ano 70 d.C. “nunca será restaurada ao seu estado anterior”. Mas ele continua, a respeito da sua compreensão da origem do mal, que muitos casos de maldade humana, e até mesmo catástrofes naturais, como enchentes, são instigados “por demónios do mal e anjos maus”. Esta opinião foi a raiz do sofrimento humano às mãos da Igreja na Europa medieval, como veremos.


Durante o segundo século os líderes da igreja que promoveram a “sucessão apostólica” amplamente copiaram e distribuíram vários escritos de homens que eles chamavam de "pais da igreja apostólica”. Todos estes tendem a enfatizar a autoridade crescente do clero. Entre os escritos desses “pais apostólicos” está a carta de Barnabé, na qual a vida cristã é retratada como o espírito de Deus contendendo contra Satanás. Ele exorta os crentes à vigilância moral, de modo que “o diabo não possa ter oportunidade de entrar” na igreja. Ele especificamente os adverte contra as coisas Judaicas, que ele diz, “transgrediram, porque um anjo do mal levou-os ao erro”. Escritura está em silêncio sobre isso.


Irineu, bispo de Lyon, afirmou a autoridade da sucessão apostólica. No seu ataque em cinco volumes contra aqueles que se opuseram à doutrina oficial da Igreja, Contra as Heresias, ele chamou os hereges de “agentes secretos de Satanás”. Ele disse que as doutrinas dos hereges eram inspiradas por Satanás.


Tertuliano aconselhou os membros da igreja contra todos os argumentos sobre a interpretação das Escrituras – discussão tal “que afeta o estómago ou o cérebro”. Como hereges aparecem com argumentos tão engenhosos e convincentes tirados das Escrituras? A sua inspiração vem, diz Tertuliano “do diabo, é claro, a quem pertencem as artimanhas que distorcem a verdade”.


Os Cristãos Gnósticos compartilhavam a crença comum em espíritos malignos. Valentim diz que, além da graça de Deus, o coração humano é uma “morada de muitos demónios”. Num livro gnóstico, o Evangelho da Verdade tem a instrução para os Cristãos Cnósticos, “... não se torne um lugar de morada para o diabo, por você já o destruiu.” Por volta do final do terceiro século, Warfield observa que nem um único escritor alegou expulsar qualquer demónio, ou que tenha atribuído esse feito a qualquer nome conhecido na igreja, e sem uma única instância de tal procedimento ter sido registado em detalhe.


Tendo investigado as origens extra-bíblicas do conceito do Diabo pessoal, ainda há mais a ser visto sobre ele. Este mítico super-inimigo carrega um carrinho de mão cheio de bagagem. Ou seja, ele não está sozinho na mitologia. No seu auge, o Diabo pessoal foi cercado por um número de associados e companheiros de viagem que estavam muito na cabeça das pessoas. Os tempos mudaram desde então. Alguns desses companheiros são mencionados nas igrejas Cristãs ocasionalmente, alguns raramente, outros quase nunca.


O Diabo ainda é considerado por alguns como sendo ajudado por miríades de demónios. Estes são considerados como espíritos malignos menores que têm prazer em trazer problemas e desgraças à humanidade. Referência a demónios entre as igrejas protestantes é um pouco variado nos tempos modernos. Um famoso pregador pentecostal e curandeiro pela fé, na sua autobiografia(2) refere-se aos demónios uma vez no seu livro como apenas uma das diversas causas da infelicidade humana e doenças.


Num resumo publicado da doutrina protestante(3) são mencionados demónios. Satanás é considerado ser “o príncipe dos demónios”, citando Mateus 12:24. Isto é, evidentemente, a aceitação da teologia Farisaica, pois eles são os que afirmaram isto, não Jesus. E nós sabemos como Jesus rejeitou suas doutrinas. Mas neste Resumo Protestante existe uma tal inconsistência no conceito de demónios, que é uma espanto como o autor ou qualquer um dos seus companheiros podem aderir a ele. Primeiro ele diz que os demónios trabalham para Satanás para se oporem a Deus. Depois, mais abaixo na mesma página ele diz que às vezes Deus usa os demónios na realização de seus planos, concluindo que mesmo essas criaturas estão sob o controle completo e constante do Todo-Poderoso. Na verdade, essa crença em demónios está em perfeita consonância com a “doutrina dos Fariseus” contra a qual Jesus advertiu seus discípulos (Mateus 16:12). Em vez de concordar com a história Farisaica sobre Belzebu, Jesus manifestou-se contra ela –

 

“Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá. E, se Satanás expulsa a Satanás, está dividido contra si mesmo; como subsistirá, pois, o seu reino?”- (Mateus 12:25-26.)

 

Em primeiro lugar, Jesus mostra, que era ridícula a alegação de que ele estava em conluio com o “príncipe” daqueles que ele “expulsava”! Mas o argumento de Jesus sobre um reino dividido contra si mesmo se aplica também a esta divisão da função dos demónios, expressa no Resumo Protestante. Na realidade, isto é a ponta do icebergue, por assim dizer, e demonstra como a Cristandade tem sido corrompida, não só por esta “fábula” (1 Timóteo 1:04, 4:7, 2 Timóteo 4:4 e Tito 1:14), mas por muitos outros também.


Este autor, como o curandeiro de fé acima mencionado, faz uma distinção entre doença comum e possessão demoníaca. Soando um pouco inseguro dos fundamentos bíblicos para a sua afirmação, ele diz, que a possessão demoníaca “parece significar que um demónio ou demónios residem numa pessoa, exercendo controle direto sobre a mente e do corpo dessa pessoas.”


Ele afirma que cada Cristão é possuído pelo Espírito Santo e, portanto, ele não pode ao mesmo tempo ser possuídos por demónios. Possivelmente, ao antecipar uma pergunta sobre os Cristãos Evangélicos que têm doenças mentais, emocional ou similares, ele diz que “um Cristão pode ser afetado gravemente pela atividade demoníaca”. Um bom ponto na verdade que pede uma explicação, mas nenhuma é oferecida. Nem é qualquer explicação oferecida, para explicar como a medicina moderna é capaz de tratar a doença, que as pessoas, ignorantes da ciência médica, anteriormente atribuíam a espíritos maus.


Foi observado(14) mais de uma vez que, com a ascensão do Cristianismo na Europa, o mundo de todos os deuses e espíritos dos pagãos foram condenados ao mal, e em liga com o Diabo. Warfield cita Harnack, A Expansão do Cristianismo Primitivo,

 

"O mundo inteiro e a atmosfera circundante foram preenchidos com demónios, e não apenas a idolatria, mas cada fase e forma de vida era governada por eles, eles se sentavam em tronos, pairavam sobre berços; a Terra era literalmente um inferno”.

 

Esta crença está em contradição directa com o Apóstolo Paulo –

 

“Sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus. Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só Deus, o Pai.” – 1 Coríntios 8:4-6.

 

Não obstante , Orígenes, Agostinho e os Pais da igreja, em geral, estavam convencidos de que os magos estavam em conluio com o diabo e os seus demónios numa grande luta contra o bem. Acreditando estarem a ser contestados por um movimento organizado de hereges que praticavam necromancia (comunicação com os mortos ), a igreja desejava o seu próprio oficio do exorcismo. Feitiços, por vezes, contendo os nomes mágicos de espíritos emparticular, foram utilizados para repelir os ataques dos demónios.


E assim o exorcismo tornou-se numa cerimónia na igreja Cristã, usado para expulsar demónios de pessoas que estão sob o seu poder. Mas houve mais de uma ocasião para realizar exorcismo na Igreja. Cerca de 250 d.C. O exorcismo se tornou uma das cerimónias realizadas antes dos novos membros serem batizados. Manteve-se parte integrante do serviço batismal Católico - não para expulsar demónios, mas para remover os supostos obstáculos à “graça”, resultantes dos efeitos do “pecado original” e do poder de Satanás sobre a natureza humana decaída. Além disso, as coisas inanimadas, como água, sal e óleo, que serão utilizados no serviço religioso, recebem exorcismo antes de serem abençoados ou consagrados.


É notável que, num tempo em que há muito pouca indicação da crença em "espíritos malignos" entre as pessoas comuns no mundo ocidental, o Vaticano está mostrando um renovado interesse no assunto. Em 1999, atualizaram o Rito do Exorcismo(5) pela primeira vez desde 1614. Em 2005, o Vaticano lançou um novo curso(16) no prestígiado colégio Athenaeum Pontificium Apostolorum. Reservado aos padres e estudantes de teologia, o curso destina-se a “prepará-los para distinguir os verdadeiros casos de possessão diabólica de problemas mentais, e assim possam ser encaminhados para exorcistas”. Muitos dos que estão a tirar o curso ou querem ser exorcistas ou eram exorcistas, dos quais existem 400 na Itália. Na mesma notícia, outra serviço de notícias(17) acrescentou o seguinte comentário por Francesco Bamonte, um exorcista conhecido de Roma. Ele disse que “várias centenas” de pessoas veem à sua equipa todos anos, achando que estão possuídas. Depois de aconselhamento, ele disse, “Eu faço talvez cerca de vinte exorcismos cada ano”. Enquanto no que se refere aos specialistas, “85% - 90% dessas pessoas não estão nem nunca estiveram possuidas ou foram atacadas pelo diabo”. Está sendo considerada a re-introdução de uma oração durante a missa de São Miguel Arcanjo, que se acredita ser o principal protetor contra o mal. Esta prática contradiz diretamente a liminar do apóstolo Paulo:

 

“Ninguém se faça árbitro contra vós outros, pretextando humildade e culto dos anjos, baseando-se em visões, enfatuado, sem motivo algum, na sua mente carnal” – Colossenses 2:18 .


O diário Polaco Gazeta Wyborcza relatou em Dezembro de 2007 que a Igreja Católica no país havia aprovado planos para um Centro de Exorcismo na cidade de Poczernin. No que parece ser controlo de danos na sequência de alguma imprensa má sobre isso na Alemanha, o coordenador regional de exorcistas Polacos afirmou que a Polónia definitivamente precisa de mais exorcistas. Ele recusou um pedido para uma entrevista com a imprensa alemã, talvez fartos da sua fascinação com algo que é basicamente um fenómeno bastante comum na Polónia. Tão comum, na verdade, que em Julho de 2007, a Polónia foi o anfitrião do Quarto Congresso Internacional de Exorcistas, acolhendo cerca de 330 exorcistas praticantes de 29 países. O porta-voz declarou que é a visão da sua igreja, que as curas de Jesus e dos apóstolos era o exorcismo. Além disso, porque o exorcismo foi usado nos tempos do Novo Testamento, é uma prática adequada para os dias de hoje. Isso ocorre porque a derrota do Diabo é uma parte fundamental da teologia Cristã. "O diabo e os espíritos maus são entidades mitológicas mas são no entanto “reais” – assim como “Adão" é uma realidade na teologia Cristã" – uma indicação clara do lugar que as Escrituras têm na sua teologia.

 


Outra história pela SMH News International, começava assim, “Compartilha a sua casa com fantasmas e não sabe quem chamar? Tente a Igreja Anglicana. O Reverendíssimo Graeme Lawrence, decano de Newcastle (Austrália), disse que recentemente abençoou a casa de um jovem casal que acreditava que peças de mobiliário foram movidas em sua casa. Ele disse que a igreja tinha um longo histórico de prestação de ritos e cerimónias de bênçãos e exorcismos, e a Igreja na Grã-Bretanha, muitas vezes elegia um padre sénior como exorcista residente. O Bispo de South Sydney, Robert Forsythe disse que exorcismos eram raros, mas que eram realizados.


Agora, se olharmos para a história dos demónios, possessão demoníaca e exorcismo, fica claro que uma grande mudança ocorreu no últimos séculos. O diabo e os seus demónios se tornaram muito menos bem sucedidos nos seus esforços para possuir as pessoas do que nos tempos antigos. Estão eles perdendo o interesse no seu passatempo diabólico e buscando outras atividades? As pessoas estão agora mais devotas e religiosas e mais capazes de resistir a possessão de espíritos malignos? Ou será que em vez de todas as doenças mentais de causa desconhecida, apenas 10% -15% estão agora nessa categoria?


Mas, na verdade, a origem totalmente pagã da crença em demónios e espíritos do mal está fora de questão. É verdade que na literatura rabínica da época do Novo Testamento, os demónios são representados como seres espirituais que têm sido dada permissão pelo Senhor para seduzir os homens, ou fazer-lhes danos físicos para o castigo dos seus pecados. Mas a observação não pode ser negada de que não havia medo de tais coisas entre os antigos Hebreus. Mas, quando os Hebreus se familiarizaram, com as concepções do Zoroastrimo do espírito do mundo, especialmente durante o exílio Babilónico, eles passaram a acreditar que Deus tinha um “adversário”, um arqui-demónio, Satanás, que tinha sob sua direção, muitos demónios menores. Zoroastro não inventou a ideia de demónios, que têm origens muito mais antigas na demonologia da Mesopotâmia. Os terríveis Anunnaki eram os carcereiros do inferno. A crença em espíritos do mal menores pode ser visto nas diversas mitologias nacionais irradiando para fora do berço da civilização.


Finalmente, foi demonstrado que o exorcismo foi praticado desde tempos imemoriais. Deve-se reconhecer que muitos dos casos de possessão eram, na realidade de origem psicopatológica. Uma “revisão imparcial da feitiçaria, bruxaria, possessão e fenómenos cognatos, e avaliação das evidências existentes parecem demonstrar que quase todos os casos foram sem dúvida devido à mórbida e histérica condição mental provocada entre os supersticiosos e e pessoas com pouca formação por uma atmosfera que onde permeia o terror, mistério e a desconfiança”.


E assim, magia, bruxaria e feitiçaria estão muito interligados na história do diabo. Orígenes, Agostinho e os Pais da igreja, em geral, estavam convencidos de que os magos estavam em conluio com o diabo e os seus demónios numa grande luta contra o bem. “Mágicos, portanto, devem ser destruídos e não apenas julgados como hipócritas ou charlatões”. A ligação do Diabo com a magia adquiriu para essa prática um significado sinistro. A mágica passou a ser associada com bruxaria e feitiçaria – a utilização de feitiços ou a obtenção ilícita de predições, e a necromancia (conversar com os mortos) – são termos que adquiriram um significado semelhante. Esta magia não deve ser confundida com a forma de entretenimento teatral, que é apropriadamente chamada de invocação. Magia negra e o medo dela não morreu na Idade Média. Na Inglaterra, um acto do parlamento em 1542 tornou a bruxaria, magia e encantamento punível com a morte. Uma nova lei aprovada em 1563 permaneceu em vigor até 1763.


Mas a tentativa de desviar as forças do mal por constrangimento quase mágico e compulsão prontamente deu lugar a métodos de persuasão, que por sua vez levou a estabelecer um acordo ou pacto com o diabo.

 

(continua)

 

Arthur Bull

 

NOTAS

 

  1. Benjamin Breckinridge Warfield eram um American o aderente do Calvinismo. um teólogo conservador, defendeu bravamente as Escrituras como a Palavra de Deus totalmente inspirada contra racionalistas e ideias modernistas que eram disseminadas em torno dele. Na sua série de palestras, posteriormente publicado no livro “Milagres Contrafeitos (publicado em 1918)”, ele argumentou com força que a idade dos milagres cessara. Ele falou muitos dos “milagres” fraudulentos que as várias organizações religiosas têm reivindicado ao longo dos anos.

    2. Oral Roberts, “Espere um milagre”, p. 108. Thomas Nelson,1995.

    3. Charles C. Ryrie, “Um exame da doutrina bíblica”, a Moody Press, 1972.

    4. Professor J. B. Noss, “Religiões do Homem”

     

    5.www.dw-world 2008/01/23

    6. Channel News Asia, 18 de fevereiro de 2005.

    7. CNS, Serviço de Notícias Católico

 

publicado por boasnovasreinodeus às 16:31
link do post | comentar | favorito
|

Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/

Contacto

Email para colocar questões ou pedir curso Bíblico grátis: curso_gratis@hotmail.com

pesquisar

 

Formspring

posts recentes

A HERANÇA DOS SANTOS É CE...

O Caminho da Vida - O que...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

O Sábado na Dispensação C...

Guardar o Sábado

Lúcifer - A verdade sobre...

POSSESSÃO DEMONÍACA

O Caminho da Vida - 1 - A...

O Diabo e Satanás

"... que sinal haverá da ...

"Vós sois as minhas teste...

Êxodo

Génesis

Céu e Inferno

Refutação - Sábado - Adve...

O Verdadeiro Sábado

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

arquivos

Maio 2013

Novembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

GeoCount


contador gratis

links

subscrever feeds