Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/
Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2011

Os Cristadelfianos - Em que acreditam e o que pregam - cap 2 - O Homem: Bom ou mau?

O HOMEM: BOM OU MAU?

 

Quão complexa criatura é o homem! Constantemente criativo, produz maravilhas na terra, no mar e no céu. Sondas feitas pelo homem têm penetrado na margem mais próxima do universo e examinaram os recessos íntimos do corpo humano. Dispositivos feitos pelos homens em tempos de guerra deixam multidões mortas ou mutiladas, enquanto as mesmas cenas de carnificina são iluminados por atos de heroísmo e altruísmo que atraem o respeito de amigos e inimigos.


As páginas da história e da vida quotidiana são preenchidos com uma estranho paradoxo. O homem é uma mistura desconcertante. Milhares de pessoas são movidas pelo carinho, cuidado e compaixão para com o próximo, e dedicam as suas vidas em serviço constante, sem levar em conta o custo. E, no entanto, todos os dias, acontecem atos de brutalidade e opressão, violência e assassinato, às vezes envolvendo bebés e crianças ou idosos e desamparados.


Mesmo os maiores génios e os mais dedicados estadistas têm tomado decisões que resultaram na destruição de cidades inteiras em um instante de tempo, obliterando jovens e velhos, e mulheres, fracos e fortes. Aqueles que sobreviveram são deixados com memórias de horror apavorante, e muitas vezes com cicatrizes ou ferimentos internos que carregarão para o resto da suas vidas incertas.


Como é que o homem, a partir da mesma fonte, traz à tona várias vezes coisas de beleza e de repulsa doentia? Porque está marcado o diário do homem por passos maravilhosos em frente e depois retornos à quase pura bestialidade, como se o melhor nunca tivesse existido? Será que o homem é simplesmente um animal que de tempos em tempos volta à selvajaria do mato? Ou há alguma falha numa peça de que de outro modo seria perfeita, como uma fissura num sino ou um nó num belo pedaço de madeira?


Shakespeare, com um propósito diferente, deu uma imagem do presente paradoxo:

 

“Que obra-prima, o homem!

Quão nobre pela razão!

Quão infinito pelas faculdades!

Como é significativo e admirável na forma e nos movimentos!

Nos atos quão semelhante aos anjos!

Na apreensão, como se aproxima dos deuses, adorno do mundo, modelo das criaturas!

No entanto, que é para mim essa quintescência de pó?” (Hamlet II, ii)

 

“Quintescência de pó.” Isso é um dos indicadores do pontos fracos do homem. Apesar da grandeza da mente e da habilidade da mão, no seu fim o homem se deita no sono da morte e a sua beleza se desfaz em poeira. Ele desapareceu. A grande procissão do berço até ao túmulo é impiedosa. Isto tem extraído os versos mais comoventes dos poetas, e músicas de compositores: enche as páginas dos livros e aparece nos dramas de cada país, e é capturado para o olho sobre a tela e em pedra. O problema do sofrimento e da morte tem ocupado a mente do homem ao longo dos tempos. É ainda mais intrigante quando, como às vezes acontece, o pior dos homens morrem em paz em suas camas,
e os melhores são vítimas de sofrimento intenso.


O paradoxo da bondade do homem misturada com o mal reflete-se no mundo ao seu redor, as circunstâncias e a natureza parecem conspirar para aumentar o enigma da mera existência. Como é possível explicar a charada? Existe uma explicação que seja suficiente para abranger toda a vida humana?


Sim, há. Além disso, a explicação provê verdadeira esperança, a esperança de perfeita felicidade, a felicidade sem defeito e sem fim.


Se voltarmos ao começo das coisas, tal como descrito na Bíblia recebemos alguns princípios fundamentais, uma espécie de chave para abrir os mistérios aparentes do que vem a seguir. Desta forma podemos começar a responder a algumas das nossas questões mais profundas e encontrar soluções para alguns dos problemas mais intrigantes e persistentes que afetam a todos nós.


A Bíblia nos diz que tudo que Deus fez no princípio era "bom" ou "muito bom". Encontrará isto através da leitura do primeiro capítulo de Génesis. Por favor, leia por si mesmo.

 

Não há substituto para a leitura da Bíblia. A Bíblia é um maravilhoso construtor da mente. Ela abre a cortina e nos permite ver os porquês e motivos por trás das coisas que são visíveis a olho nu. Além disso, a Bíblia tem um propósito especial:

 

As sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus.Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.” (2 Timóteo 3: 15 – 17)

 

A sua leitura de Génesis 1 vai mostrar que Deus começou com o que é "bom" – veja os versículos 4, 10, 12, 28, 21, 25. O bom Deus fez coisas boas, e quando toda a obra foi concluída Ele declarou que era "muito bom".


A coroa da criação foi o homem. O homem foi único. Foi feito do menor dos materiais, mas foi maravilhosamente feito e Deus lhe deu vida:

 

Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente.” (Génesis 2:7)

 

"À imagem de Deus"


A Bíblia diz-nos algo mais sobre o homem, algo que representa a singularidade que o diferencia do resto da criação. O homem estava diretamente relacionado com o seu Criador:

 

Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.” (Génesis 1:27)

 

As expressões “à imagem de Deus” e “à nossa imagem” (veja também o versículo 26) são usadas somente sobre o homem. Neste ponto, a Bíblia não desenvolve tudo o que está por trás dessas palavras intrigantes, mas está preparando-nos para os relatos que se seguem.


A partir da fala quotidiana podemos deduzir algo dos significados de “imagem” e “semelhança”. Falamos de um filho ou filha sendo a imagem do pai ou da mãe, e sabemos o que queremos dizer. Às vezes as semelhanças se estendem até os maneirismos, caráter e habilidade, e essas semelhanças são frequentemente comentadas.


A quem ou a quê é o homem parecido? E de à imagem de quem foi feito? Em primeiro lugar, a Bíblia, num livro mais adiante, diz:

 

“Contudo, pouco menor o fizeste do que os anjos{ou Deus; Heb. Elohim}.”(Salmo 8:5, RC)

 

Em alguns aspectos, pois, o homem é como os anjos e em outros ele é atualmente deficiente. Anjos apareceram frequentemente aos homens no tempo da Bíblia e foram descritos como sendo homens, embora muitas vezes eles brilhassem com glória. Veja Génesis 18:1,16; 19:1,15,16, Mateus 28:2-6
e Marcos 16:5-7. Não é que os anjos parecem homens, mas sim que os homens têm algo em comum com a aparência externa dos anjos. O tema dos anjos aparecerá novamente mais tarde.


Mas existe outro tipo de semelhança, para além da aparência exterior? Acreditamos que existe. Ao contrário de todas as outras criaturas, o homem tem uma capacidade de adorar a Deus e de se relacionar com Ele e com o Seu propósito. Ele é capaz de entender o que Deus lhe diz e responder a isso. Além disso, o homem pode orar e ele pode acreditar. Nenhum dessas coisas são involuntárias; cada uma depende da vontade do homem. No entanto, essas habilidades estão latentes em todos os homens.


Assim o homem pode ser obediente a Deus e pode procurar mostrar semelhança com Deus - piedade. Além disso, o homem tem o dom da palavra que lhe permite dar expressão ao louvor e culto: o que ele contempla na sua mente pode ser dado a conhecer por palavras. O homem tem
este atributo. Há criaturas que podem imitar sons – papagaios e mainás, por exemplo – e ocasionalmente, Deus tem dado as outras criaturas o dom da fala inteligível (ver a serpente em Génesis 3 e a jumenta de Balaão Números 22); mas só o homem tem o dom combinado de pensamento e a capacidade de expressar o seu pensamento em palavras. Além disso, é essa faculdade do homem que Deus procura empregar quando Ele se revela através da palavra falada e
escrita dos Seus profetas.

 

Uma alma vivente”

 

Existe alguma razão fundamental em que o homem seja diferente dos anjos? Por exemplo, a Bíblia nos diz que os anjos não podem morrer (ver Lucas 20:34-36). É o mesmo verdade quando se fala ao homem? Olhe novamente para o ensino básico da Bíblia:

 

Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente.” (Génesis 2:7)

 

O primeiro homem, consistia de “pó” e “fôlego da vida”. No seu todo foi chamado de "alma vivente". Observe que neste versículo o homem não é dito possuir uma alma, mas ser uma alma. No total, portanto, o homem foi feito à imagem e semelhança de Deus, e consistia de pó e fôlego da vida. Para além de tudo isto, era o homem de fato semelhante ao anjos, para não mais morrer?


Uma coisa é certa: não há nada no registo da criação que nos diga que havia uma parte de Adão, que não podia morrer. Veja outra vez Adão no Éden naqueles dias em que tudo estava bem. Estava ele naquela altura, sujeito ao medo da morte, a certeza de morrer, como é comum a toda a humanidade neste momento? A resposta é: Não. Adam não tinha nenhum medo desse tipo, ele desfrutava da felicidade da vida no Éden desenvolto de preocupações, medos, lágrimas ou árdua labuta. Na verdade, a Bíblia nos diz por que isso era assim, e um pouco de reflexão irá ajudar o nosso entendimento.


Naqueles primeiros dias de Adão não tinham um caráter desenvolvido. Ele tinha potencial e liberdade de escolha, mas era espiritualmente imaturo. Ele não foi feito com perfeição do caráter, nem era um mero autómato feito para ser funcionar ao longo de linhas totalmente predeterminadas. Deus em seguida, tomou medidas para fornecer ao homem a oportunidade de desenvolver uma
imagem e semelhança no sentido mais verdadeiro, um caráter no qual as virtudes de Deus poderiam ser encontradas. O método era simples: o homem foi posto à prova. Recebeu um mandamento, a palavra de Deus do Criador para o criado:

 

E o SENHOR Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente,

mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Génesis 2:16 - 17)

Havia uma doce razoabilidade nesse mandamento. Correspondia às bênçãos que o homem desfrutava. Deus fez o jardim no Éden e colocou o homem no comando. O jardim era o “paraíso”, uma palavra que significa um “parque” ou “jardim”. O jardim do Éden foi o melhor que jamais existiu na Terra e nunca foi superado. O habitat de Adão era totalmente agradável. Não havia nada de hostil nele e tudo o que tinha a fazer era se tratá-lo e mantê-lo (Génesis 2:15). Deus era o dono e provedor: o homem era o inquilino e beneficiário.

 

Mas como Adão teria uma escolha verdadeiramente livre na sua obediência a Deus? Uma vez que Deus claramente não queria obediência cega e sem amor, mas uma escolha inteligente, como seria isto possível? Ao contrário de nós, Adão tinha uma mente que estava incorrupta pelo mal; não havia nenhuma mancha dentro dele e apenas “excelência” no exterior.

 

A Serpente no Éden

 

O aparecimento da serpente no jardim pode parecer-nos muito estranho. Alguns têm considerado a serpente como a encarnação do mal, um concentrado de maldade que chegou de fora da terra. Por outras palavras, em tal ponto de vista, a serpente era o diabo ou Satanás que quer arruinar a obra de Deus. O registo de Génesis não nos conta nada disso e introduzir isso cria muitos mais problemas do que é suposto resolver. E a serpente então? Como devemos considerá-la?


Em primeiro lugar, somos informados de que todas as criaturas criadas por Deus eram "muito boas". Em seguida, somos informados de que a serpente era também um “
animais selvático” (Génesis 3:1). Alguns questionam se as palavras, “a serpente, mais sagaz que todos os animais selváticos”, significa que a serpente era em si um animal selvático. Haveria pouco assunto em mencionar a circunstância se não fossem destinadas a entender que a serpente era, de facto, um animal selvático. A conclusão é reforçada pela maneira em que as palavras em hebraico foram traduzidos em outras versões. Por exemplo:

 

Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais selvagens que o Senhor Deus tinha feito.” (NVI)

 

Além disso, é muito difícil conceber que Deus tivesse permitido a invasão do Seu jardim por uma manifestação viva da maldade, e se tivesse sido permitida uma tal intrusão, teria falhado em dar a Adão o menor sinal de aviso. Por outro lado, se como o registo nos diz, a serpente era uma das criaturas da terra, então Adão já teria tido conhecimento da sua existência e propensões porque Deus mostrou-lhe todos os animais, um por um, e Adão tinha-lhes dado os seus nomes (Génesis 2:19).


Mas a serpente podia falar e tinha poderes de observação e raciocínio. Isso a torna única. Claramente, muitos animais têm a capacidade de observar e sentir o que está ao seu redor, e são capazes de interpretar o que encontram para sua própria segurança e bem-estar. Mas não há hoje em dia animal vivo que tenha o poder de conversar livremente com o homem. Isso não é razão para duvidar do registo das Escrituras e, em qualquer caso, a descrição da serpente que nos foi dada
por Deus nos diz que a criatura era extraordinária.

 

Além dos poderes da fala e raciocínio, a serpente não tinha nenhum poder sobrenatural; e não há nada na relato de Génesis para justificar qualquer conclusão de que a serpente exerceu qualquer outra influência ou que tivesse qualquer poder para fazê-lo. No entanto, a serpente ocupa um papel significativo na tragédia do jardim do Éden, e devemos concluir que isto foi previsto por Deus.

Por que então foi feita a serpente? Mais especificamente, por que foi permitido o acesso a Eva quando tais resultados desastrosos se seguiram? É perigoso filosofar ou conjeturar mais além daquilo que a Bíblia nos diz; tais suposições normalmente nos conduzem por caminhos errados
meramente estabelecidos pelo pensamento humano.


Nós podemos ter certeza sobre Deus. Ele é onisciente e justo: Ele é amável e benevolente. Ele criou o homem com oportunidades gloriosas e concedeu-lhe o privilégio de estar consciente acerca de Deus. Adão foi cercado de inúmeras bênçãos. Ele conhecia o mandamento de Deus. Ele ainda não conhecia o mal. Em certo sentido, portanto, não havia um verdadeiro teste à sua obediência, enquanto ele estivesse num cenário idílico, imaculado de mente e corpo.


A serpente proveu outro ponto de vista para o homem contemplar. Era um ponto de vista puramente teórico, uma conjectura sem qualquer prova ou substância. Tudo o que a serpente disse a Eva em contradição com seu conhecimento existente foi totalmente sem fundamento. A serpente “disse”,
mas não apresentou nenhuma prova. Tomou os factos conhecidos de Eva e deu-lhes outra interpretação, uma interpretação totalmente falsa e por testar. Em vez de morte pela transgressão, haveria vida, e haveria entendimento glorioso e igualdade com Deus.


Em tudo isto a serpente não sugeriu que alguma coisa estava dentro do seu próprio poder. Não tinha nada para dar, mas ideias, e a eles não lhes deu sequer um farrapo de prova. Suas palavras estavam em contradição direta com o que Deus tinha dito “
É certo que não morrereis” - ou a fabricação de supostas bênçãos que se seguiriam à participação da árvore do conhecimento do bem e do mal - “como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal.”

 

A mentira absurda da serpente “É certo que não morrereis”, foi a chave do seu poder de persuasão. Esta inverdade brilhante ficou incontestada na mente inocente de Eva, mesmo conhecendo a Palavra de Deus. Ela permitiu que as ideias insidiosas ativassem os seus desejos naturais, até então
não adulterados, e tolamente se rendeu ao egoísmo e rebelião. Os seus desejos previamente a levaram a viver de acordo com a vontade de Deus, mas agora inflamou-os e corrompeu-os. Ela tinha sido enganada. Adão seguiu ao seu convite sabendo o que estava fazendo. Ele levou a culpa e responsabilidade maior, porque ele era a principal parte da criação de Deus e parece ter deixado sua esposa, de alguma forma vulnerável às lisonjas da a serpente.


Os comentários do Novo Testamento sobre Eva e Adão dizem-nos a pura verdade:

 

A serpente enganou a Eva com a sua astúcia.” (2 Coríntios 11:3)

 

Adão não foi iludido, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão.” (1 Timóteo 2:14).

 

Por um só homem entrou o pecado no mundo.” (Romanos 5:12)

 

Adão e Eva sabiam que tinham pecado e estavam dolorosamente conscientes das suas consciências contaminadas. A vergonha e o medo recaíram sobre eles. A sua nudez tornou-se embaraçosa, e eles arranjaram cobertas improvisadas si próprios. Nem a sua cintas de folhas de figueira, nem o seu
esconderijo entre as árvores do jardim era de qualquer utilidade contra o controlo judicial de Deus.


Pecado e Morte


Eles estavam agora num estado de pecado. O pecado é a transgressão da lei de Deus, por outras palavras, é a ilegalidade (1 João 3:4). Além disso, eles agora morreriam: “O salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23). Eles passaram da justiça e paz para o pecado e conflito. O seu pecado havia-os separado de Deus, e as consequências começavam a se tornar manifestas.


Como Deus tinha claramente indicado no mandamento original a Adão, de modo que Ele agora pronuncia as consequências do seu pecado. Os seus protestos de que alguém era culpado – Adão culpou Eva e indiretamente o próprio Deus, e Eva culpou a serpente – foram colocados de lado. Cada um deles tinha que carregar com a sua própria carga. A serpente tinha nenhuma responsabilidade moral diante de Deus, uma vez que tanto quanto sabemos, não estava sob o mandamento, e em qualquer caso, não havia sido feita à imagem e semelhança de Deus. No entanto, suportaria o desfavor de Deus por causa do que tinha sido instrumental em fazer. Perderia alguma das suas vantagens e desde então andaria sobre o seu estômago. Além disso, Deus disse à serpente:


Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.(Génesis 3:15)


No coração destas palavras está uma pérola de grande valor. Dentro dos sons da inimizade e do conflito, há uma nota de esperança que vai cativar a nossa atenção um pouco mais tarde na nossa história. Basta dizer por agora que a chave para o enigma (pois para Adão e Eva, seria isso mesmo), reside na palavra “ele”.


As penas sobre Adão e Eva foram as seguintes:


E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará.

 

E a Adão disse: Visto que atendeste a voz de tua mulher e comeste da árvore que eu te ordenara não comesses, maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias de tua vida. Ela produzirá também cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.” (Génesis 3:16-19)

 

Vergonha, tristeza, cansaço e morte tinha entrado no mundo, e esse seria o tipo de mundo em que os filhos de Adão e Eva viveriam fora do jardim do Éden. Nas próximas páginas nós olharemos às consequências acima referidas, procurando entendê-las, e descobrir o sentido pleno do Enigma.

publicado por boasnovasreinodeus às 11:29
link do post | comentar | favorito
|

Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/

Contacto

Email para colocar questões ou pedir curso Bíblico grátis: curso_gratis@hotmail.com

pesquisar

 

Formspring

posts recentes

A HERANÇA DOS SANTOS É CE...

O Caminho da Vida - O que...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

O Sábado na Dispensação C...

Guardar o Sábado

Lúcifer - A verdade sobre...

POSSESSÃO DEMONÍACA

O Caminho da Vida - 1 - A...

O Diabo e Satanás

"... que sinal haverá da ...

"Vós sois as minhas teste...

Êxodo

Génesis

Céu e Inferno

Refutação - Sábado - Adve...

O Verdadeiro Sábado

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

arquivos

Maio 2013

Novembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

GeoCount


contador gratis

links

subscrever feeds