Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/
Quarta-feira, 9 de Março de 2011

O Verdadeiro Sábado

O Verdadeiro Sábado

 

Quando a nação de Israel se reuniu em frente ao Monte Sinai na sua viagem até à Terra Prometida, ouviram a voz de um anjo de Deus dando-lhes uma série de leis destinadas a regular a sua vida e o desenvolvimento nacional. Entre a lista de instruções havia orientações sobre as ocupações semanais das famílias. Havia de haver um equilíbrio entre atividade e repouso, entre o trabalho e o culto. A nação recém-formada tinha de entender os benefícios de cooperar com Deus nas circunstâncias materiais da vida, bem como na observância religiosa por Ele exigida. Estas foram codificadas num resumo das leis de Deus conhecido como Os Dez Mandamentos, listados em Êxodo 20.

 

O quarto destes dez mandamentos especificava que um dia em cada sete fosse devotado exclusivamente a Deus: “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho; mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia do sábado, e o santificou.” (versículos 8 - 11)

 

A palavra “sábado” significa “descanso.” Foi ordenado ao povo que de abstivesse do seu trabalho quotidiano nesse dia, e que devotasse o tempo em fazer a vontade de Deus e observando os Seus requerimentos rigorosos. Não tinham permissão de “apanhar lenha” (trabalho manual; compare Números 15:32), cozinhar, nem viajar grandes distâncias. A morte por apedrejamento era a pena para quem quebrasse alguma das muitas restrições do sábado. (Números 15:32 -36).

 

No entanto, apesar da sua importância sob a Lei Moisaica de Israel, a observância do sétimo dia não tem reivindicação sobre o Cristão – não obstante as exigências de alguns corpos religiosos sobre o contrário.

 

Embora Israel tivesse recebido instruções especificas concernentes à guarda do sábado, essas leis não se encontram em lugar nenhum no Novo Testamento. Todavia, embora não seja requerido do crente observar o sétimo dia (sábado) da maneira que foi exigido a Israel, ele deve reconhecer o seu ensinamento na sua vida diária, que fará com ele “descanse” (sábado) das “obras” do pecado, e devote a sua vida fazendo a vontade de Deus. E isto não fica limitado a um dia em sete, mas todos os dias da semana. De fato, o verdadeiro crente aplicará o significado espiritual do sábado de uma maneira mais completa do que foi visto no geral na maneira como Israel o fazia.

 

A Diferença nas Duas Grandes Aliança de Deus com a Humanidade

A lei dada por Moisés não mais era ativamente aplicável depois da nação de Israel rejeitar o Redentor que Deus enviou para salvá-los. De fato, a aliança de Moisés, incluindo a obersvância formal e literal do sétimo dia, foi cumprida no sacrifício de Cristo, e a partir daí não mais era necessária como lei para cumprimento individual. Foi substituída por uma aliança maior que já tinha sido apresentada à humanidade. Existe uma razão especial porque isto foi assim.

 

A aliança Moisaica era a aliança menor de duas grandes alianças que Deus tinha feito com o homem. Foi feita com a nação de Israel, e ratificada com o sangue dos sacrifícios de animais. A outra foi feita antes com Abraão (Génesis 12:1-3; 15:5, 18, 21), mas tratada como superior, porque foi confirmada pelo sacrifício de Cristo (Gálatas 3:8; Romanos 15:8).

 

A aliança Moisaica legislava a vida dos Israelitas, mas porque a natureza humana é essencialmente má, todos ficaram aquém dos seus requerimentos. E assim demonstraram que todos eram pecadores, e estavam assim condenados à morte. A Lei ensinava que uma pessoa tinha que olhar para além da Lei para a redenção - a vida eterna que só poderia vir através da graça e misericórdia de Deus (Romanos 7:13). Os Israelitas fieis esperavam o advento de um Redentor prometido por Deus e somente através do qual poderia vir a salvação. Por essa razão, a Lei é comparada a um aio levando a nação até Cristo (Gálatas 3:24). Paulo ensinou que ela foi “acrescentada[ou seja, às leis que Deus tinha dado anteriormente à humanidade] por causa das transgressões, até que viesse o descendente a quem a promessa tinha sido feita” (versículo 19).

 

O descendente era o Senhor Jesus Cristo, que cumpriu o requerimentos da Lei pela sua obediência perfeita e sacrifício; assim removendo a sua maldição e provendo o perdão para o pecado que, em contraste, a Lei só enfatizava e ilustrava.

 

Porquê então servir a Lei? Porquê observar o Sábado?

Algumas organizações (entre as quais estais os Adevntistas do Sétimo Dia, e a “Verdade Plena Igreja Mundial de Deus(Comunhão da Graça Mundial)) admitem que a aliança feita com Moisés foi removida. Não poderiam fazer outra coisa porque essa verdade é claramente ensinada nas Escrituras (Hebreus 8:13). Mas eles afirmam que a aliança removida não inclui os Dez Mandamentos, e porque o quarto mandamento se refere a guardar o sábado, eles concluem que os Cristãos devem guardá-lo. Eles sugerem que guardar o Sábado é essencial para a salvação.

Mostraremos que isto está errado; que os Dez Mandamentos formavam o próprio fundamento da Aliança Moisaica, e foram cumpridos em Cristo. Embora nove tenham sido reafirmados no Novo Testamento, a lei relacionada como o sábado foi excluída.

 

Os Dez Mandamentos Faziam Parte da Aliança Moisaica

Os Dez mandamentos estavam gravados em duas tábuas de pedra que foram colocadas na arca da Aliança, no Tabernáculo no qual o povo de Israel adorava. Ao descrever a primeira aliança[ou Moisaica] com as suas ordenanças de serviço divino e seu santuário (Hebreus 9:1), Paulo se referiu aos Dez Mandamentos como “as tábuas da aliança” (v. 4), uma aliança que, no capítulo anterior, ele declarou como “prestes a desaparecer” (Hebreus 8:13).

Se os Dez Mandamentos faziam parte da aliança que foi ab-rogada e “desapareceu”, então, obviamente, a obrigação de observá-los desapareceu a não ser que tenham sido reafirmados - como Cristo fez com nove deles.

 

O ensinamento de Paulo de que a aliança Moisaica incluía os Dez Mandamentos, é apoiado pela própria Lei:

 

Disse mais o SENHOR a Moisés: Escreve estas palavras, porque, segundo o teor destas palavras, fiz aliança contigo e com Israel... e escreveu nas tábuas as palavras da aliança, as DEZ PALAVRAS (Êxodo 34:27-28). “Então, vos anunciou ele a sua aliança, que vos prescreveu, OS DEZ MANDAMENTOS, e os escreveu em duas tábuas de pedra.” (Deuteronómio 4:13; 5:13).

 

Ao longo da história de Israel, a mesma identificação da aliança de Moisés com os Dez Mandamentos é preservada. Quando a arca da Aliança foi colocada no Templo construído por Salomão, foi observado:

“Nada havia na arca senão as duas tábuas de pedra, que Moisés ali pusera junto a Horebe, quando o SENHOR fez aliança com os filhos de Israel, ao saírem da terra do Egito.” (1 Reis 8:9) Essas duas tábuas de pedra, gravadas com os Dez Mandamentos, eram identificadas com a aliança Moisaica que Paulo ensina que desapareceu através de Cristo. No versículo 21 Salomão diz: “E nela[Casa de Deus] constituí um lugar para a arca, em que estão as tábuas da aliança que o SENHOR fez com nossos pais, quando os tirou da terra do Egito.” Não havia nada mais na arca senão as duas tábuas de pedra gravadas com os Dez Mandamentos que são a base essencial de toda a aliança para Israel através de Moisés. A evidência não pode ser refutada, já que os Dez Mandamentos formavam parte da aliança Moisaica, não mais seriam vinculativos quando essa aliança desaparecesse.

 

Removida a Lei de Moisés

 

A Bíblia revela ainda que a aliança Moisaica não era mais que uma ordenação temporária que foi removida no início da era Cristã. Em Hebreus 8:7-10, Paulo ensinou que a aliança feita com os filhos de Israel quando saíram do Egito seria substituída por uma nova e melhor aliança através de Cristo (Hebreus 8:7-10). Ele disse: “Quando ele diz Nova, torna antiquada a primeira. Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido está prestes a desaparecer. (Hebreus 8:13).

 

No próximo capítulo, ele ensinou que esta aliança que estava prestes a “desaparecer”, incorporava as “tábuas da aliança,” ou os Dez Mandamentos (Hebreus 9:4).

 

Isso significa que todas as leis dos Dez Mandamentos estão desatualizadas, e que podemos desonrar Deus, ou matar e roubar impunes? De jeito nenhum. Nove dos mandamentos foram reafirmados nos mandamentos de Cristo, pois eles proclamam verdades eternas; mas o quarto mandamento, relativo ao sétimo dia, nunca foi reafirmado pelo Senhor nem pelos Apóstolos. Não existe um único mandamento no Novo Testamento requerendo que os crentes observem o sétimo dia(Sábado), mas existe muito que mostra o contrário.

 

Por outro lado, Os Adventistas do Sétimo Dia discriminam entre a “lei de Moisés” e a “lei de Deus,” afirmando que a primeira (escrita em livro) compreendia as ordenanças cerimoniais da Lei, e a última(inscrita em pedra) se referia aos requerimentos morais – e que a primeira foi abolida, mas a última não!

 

A Bíblia não apoia esta afirmação. Primeiro, “o livro” a que eles fazem referência continha muito mais do que leis cerimoniais, incluía toda a lei como registada nos primeiros livros da Bíblia; e em segundo lugar, a Bíblia usa os termos “lei de Moisés” e “lei de Deus” alternadamente(2 Crónicas 31:3; Números 31:31; Josué 23:6).

Para mais, como é possível excluir os Dez Mandamentos da aliança que Paulo ensinou que tinha sido removida, vendo que eles estão completamente identificados com ela por todas as Escrituras? Não as descreve Paulo como “tábuas da aliança” (Hebreus 9:4)? Em 2 Coríntios 3:7, não se refere ele à aliança como “ministério da morte, gravado com letras em pedras”?

Estas palavras mostram, sem sobra de dúvida, de que os Dez Mandamentos formavam parte da aliança que foi removida em Cristo; de outra jeito não seriam identificados com o “ministério da morte.”

Como poderiam os Dez Mandamentos ser usados nessa relação já que ensinam verdades eternas? A resposta é, porque eles formavam a base da Aliança Moisaica. As verdades individuais, nove dos mandamentos foram reafirmados por Cristo e os Apóstolos, embora não na mesma forma como foram apresentados a Israel. Na Aliança Moisaica, eles foram acompanhados pelas palavras: “Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as cumprindo.”(Deuteronómio 27:26; Gálatas 3:10). A Lei Moisaica não povidenciava qualquer esperança de vida eterna, pois os seus preceitos eram continuamente quebrados pelo povo, que assim ficou sob a sua maldição.

Em Cristo, no entanto, há provisão para o perdão de pecados. A “lei de Cristo” (1 Coríntios 9:21) reafirma nove desses mandamentos e provê um novo significado para o mandamento restante(a lei do sábado). Em contraste com o “ministério da morte”, a lei de Cristo é a “lei perfeita da liberdade” (Tiago 2:8-12; 1:25), porque ela libera o verdadeiro crente do cativeiro do pecado pelo perdão, e oferece a esperança de vida.

 

Quando Teve Início a Lei do Sábado?

 

Alguns afirmam que a lei do Sábado era conhecida e obedecida por todos aqueles que viveram antes do Dilúvio, desde o início da criação; e, assim, não está limitada à Aliança Moisaica. Mas mesmo que isto fosse verdade, não quer dizer que tivesse vinculo hoje em dia, pois os sacrifícios foram instituído no início (Génesis 4), e no entanto foram ultrapassados; a lei da circuncisão física foi dada por Deus a Abraão (Génesis 17:10-11), mas também foi ultrapassada em Cristo.

É verdade que o tempo foi dividido em semanas de sete dias desde o princípio, mas a Lei do Sábado como tal, estabelecendo o sétimo dia como santo, para ser observado de uma maneira especial, não foi registado senão depois de Israel sair do Egito. É verdade que Génesis 2:3 declara: “E abençoou Deus o dia sétimo e o santificou; porque nele descansou de toda a obra que, como Criador, fizera.” Mas não existe qualquer mandamento nessas palavras para guardar o dia como mais tarde foi dito a Israel. Foi escrito por Moisés para o povo de Israel para explicar-lhes porque mais tarde foi-lhes requerido guardar o dia. Deus declarou a Israel: “Entre mim e os FILHOS DE ISRAEL é sinal(a lei do Sábado) para sempre; porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, e, ao sétimo dia, descansou, e tomou alento” (Êxodo 31:17).

 

Nada é revelado sobre a lei do sábado até ao tempo de Moisés. Não foi senão quando o povo estava para sair do Egito que o calendário Judaico foi estabelecido. Deus disse a Moisés que a saída do Egito marcaria “o primeiro mês do ano” (Êxodo 12:2). Somente mais tarde, Moisés foi instruído na lei do sábado, e passou a informação ao povo: “Isto é o que disse o SENHOR: Amanhã é repouso, o santo sábado do SENHOR” (Êxodo 16:23).

Se a lei do sábado era conhecida por todos desde o princípio da criação, como é alegado, porque houve necessidade de explicá-la como Moisés fez?

Alguns sugerem que o povo havia esquecido tudo sobre a lei enquanto esteve no Egito. Mas se existia uma lei fundamental como alegado, porque não foi ensinada ao povo antes de sair do Egito? Porque Moisés estava ignorante relativamente a isso? Porque foi permitido que passasse algum tempo depois da nação sair do Egito antes de ser explicada ao povo no Sinai (veja Êxodo 16:1, 23), para que, até então, não guardassem o sábado?

 

Fica claro a partir destes fatos, que a lei do sábado foi dada então pela primeira vez como uma ordenação para ser observada pelos Israelitas.

Assim disse Moisés ao povo: “O SENHOR vos deu[não a toda a humanidade] o sábado; por isso, ele, no sexto dia, vos dá pão para dois dias” (Êxodo 16:29 – 30). Também: “O teu santo sábado lhes fizeste conhecer[a Israel]... por intermédio de Moisés, teu servo” (Neemias 9:14). E, indicativo da ingnorância geral que tinham sobre a lei: “Estando, pois, os filhos de Israel no deserto, acharam um homem apanhando lenha no dia de sábado... o trouxeram a Moisés... Meteram-no em guarda, porquanto ainda não estava declarado o que se lhe devia fazer.” (Números 15:21 – 36). Até Moisés a princípio estava ignorante das implicações do dia de sábado, e o que envolvia a sua guarda. Considere estes fatos significantes:

 

  1. Durante os 2500 anos desde a criação até Moisés, antes de Israel ser chamado para fora do Egito como uma nação separada para Deus, não há referência ao sábado(exceto Génesis 2:2 que já explicamos).

  2. Uma vez formada a nação, o sábado foi estabelecido como ordenação, e como um sinal entre Deus e Israel. As nações gentias nunca estiveram sujeitas a esta lei.

  3. Depois da ressurreição de Cristo, quando a nação Judaica foi exilada e o Evangelho foi pregado aos Gentios, a guarda formal do sábado cessou.

Porque haveria de cessar? Porque o sábado era um símbolo do “descanso” que Israel não alcançou (Hebreus 4:6), mas que Cristo pode prover (Hebreus 4:3; Mateus 11:28-30). Este “descanso” é um descanso das obras da carne através do perdão de pecados que está acessível para todos através dele. O sábado assim fazia parte da lei constituída para enfatizar a realidade do pecado, e revelar a Israel a necessidade de um Redentor que ainda não tinha aparecido para a nação.

 

O Significado do Sábado

 

A Aliança Moisaica exigia que a cada sétimo dia, os Israelitas descansassem do seu trabalho quotidiano e devotassem o tempo a Deus. Não deviam fazer os trabalhos do dia a dia. Um verdadeiro Israelita, no entanto, não limitava o seu serviço às coisas divinas somente nesse dia, pois era o “seu prazer” estar continuamente prestando culto a Deus (Salmo 1:2). Ele não somente observava o ritual da lei, mas também o seu espírito, esforçando-se para descansar das obras da carne e fazer a vontade de Deus. Mas não havia verdadeiro descanso(sábado) para ele até que aparecesse aquele que carregaria com os pecados; em vez disso, existia um relembrar constante dos pecados que a oferta subsequente de Cristo cobriu (Hebreus 9:15). O descando de sábado apresentava ao crente um ideal que nunca alcançava na totalidade.

Deus declarou: “Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no meu santo dia; se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do SENHOR, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falando palavras vãs, então, te deleitarás no SENHOR. Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra” (Isaías 58:13 – 14).

A verdadeira guarda do sábado, então, requeria não somente um descanso do trabalho, mas uma dedicação positiva do tempo em fazer o prazer de deus, encontrar deleite em Seus caminhos, honrando-o por palavra e ação.

Com que frequência deve um verdadeiro crente empenhar-se nisso?

Obviamente todos os dias! Não só um em sete.

Mas porque os Israelitas completamente falharam em fazer isto, e aquele que haveria de carregar com os pecado não havia aparecido, havia um relembrar constante da necessidade de descansar das obras do pecado que o sábado semanal enfatizava.

Em Cristo, todas as sombras da Lei se tornaram realidades. Ele deu susbstância espiritual ao seu formalismo. Em vez de sacrifícios de animais, ele se apresentou a si mesmo como “Cordeiro de Deus” oferecido pelo pecado do mundo. Em vez da circuncisão literal, ele colocou perante os homens uma circuncisão “do coração, no espírito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens, mas de Deus.”(Romanos 2:28 – 29). Em vez do descanso do sábado ele provê um verdadeiro descanso das obras da carne usufruindo dos princípios Divinos como caminho da vida diário, e providenciando uma coberta efetiva para o pecado.

 

Cristo convida-nos para o verdadeiro descanso sabático, e não um dia em sete, mas todos os dias, quando ele diz: “Venham a mim, todos vocês que estão cansados de carregar as suas pesadas cargas, e eu lhes darei descanso.” A palavra original em Grego traduzida “descanso” é anapausis, e é constantemente usada na Septuaginta(Antigo Testamento em Grego) para o descanso sabático. Jesus condenou o formalismo vazio e sem significado dos líderes dos Judeus, com insistência deles sobre o descanso do sétimo dia sem uma apreciação pelo seu significado espiritual. Ele deliberadamente enfatizou isso aos Judeus, permitindo aos seus discípulos fazerem o que era considerado não ser “lícito fazer em dia de sábado” (Mateus 12:1 – 2). Ele fez isso porque ele era “Senhor do sábado”, e assim tinha poder para mudar a lei que o regia.

Somente em Cristo se encontra o verdadeiro descanso sabático.

A lição do sábado, então, tem lugar na vida do crente, mas não como uma observância do sétimo dia. Nem o sétimo nem o primeiro dia foram escolhidos por Cristo para esse propósito, mas sim todos os dias. Paulo ensinou: “Libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra” (Romanos 7:6).

 

Alguns Estavam Isentos da Lei do Sábado

 

Ao permitir que os seus discípulos fizessem aquilo que não era “lícito fazer em dia de sábado”, o Senhor não estava desafiando a Lei, pois ela supria um antecedente para tal ação.

Mesmo durante o período da Aliança Mosaica, havia alguns em Israel que estavam isentos da lei do sábado, não lhes era requerido colocar de lado um dia em cada sete como dia de descanso. Este fato demonstra que em certas circunstâncias, a LEI DO SÁBADO NÃO ERA IMPOSTA!

 

Aqueles isentos das restrições do sábado eram os sacerdotes envolvidos no serviço do Templo. Jesus levou à atenção dos Fariseus o fato: “Não lestes na Lei que, aos sábados, os sacerdotes no templo violam o sábado e ficam sem culpa?” (Mateus 12:5).

 

O sábado em vez de ser um dia de descanso para os sacerdotes, na verdade o trabalho deles era dobrado (Números 28:4, 9 – 10). Para ele, o dias não era mais santo do que qualquer outro dia, por suas vidas inteiras eram devitis ao serviço do Senhor. Assim eles “profanavam o sábado”: eles não o guardavam como santo, separado, dia sem trabalho, e no entanto eram contados como “sem culpa,” porque o seu serviço era um sábado todos os dias, e por isso todos os dias, para eles, eram “santos” para o Senhor.

 

Esta é a posição adotada pelos verdadeiros seguidores de Cristo. Ele são contados como sacerdotes, pois Pedro escreveu: “Vós sois sacerdócio real” (1 Pedro 2:9). A vida deles é uma peregrinação diária em direção ao Reino de Deus, nisso eles tentam glorificar Deus em ação, até mesmo nas tarefas menos importantes da vida (veja Efésios 5:22; 6:1 – 5). Como eles são chamados para manifestar o espírito da lei do sábado cada dia, nenhum dia para eles é mais santo do que outro, assim “profanam o sábado” mas “sem culpa,” porque eles não estão realmente sobre a lei.

Cristo avançou este fato para explicar a ação dos seus discípulos. Ele deseja que os seus seguidores manifestem a atitude dos sacerdotes no templo que “proganavam o sábado”, dando a Deus um serviço diário, e não colocando ênfase em dias particulares ou especiais (Colossenses 2:16, 17).

Esta é a posição adotada pelos Cristadelfianos.

 

A Lei da Circuncisão superior à Lei do Sábado

 

Em outra ocasião, o Senhor condenou o formalismo dos Judeus em relação ao sábado ao levá-los à atenção para outra lei que tinha precedência sobre o sábado e que tinham sido mandados obedecer mesmo que requeresse quebrar o sábado.

 

Esta lei superior se relacionava com o rito da circuncisão.

 

A Lei de Moisés requeria que no oitavo dia os meninos Judeus fossem circuncidados. Mas às vezes o oitavo dia da vida de um menino caía num sábado. A questão então foi levantada, que lei era superior, e que lei seria quebrada para cumprir a outra. Deveria-se deixar de lado a circuncisão e observar o sábado? Ou deveria-se quebrar o sábado e cumprir o rito da circuncisão?

A Lei ensinava que se deveria dar precedência ao rito da circuncisão porque (o leitor tome nota disto se ele crê que a lei do sábado estava em vigor antes dos dias de Moisés) a circuncisão veio de Arbraão, e o sábado de Moisés. Cristo explicou: “Pelo motivo de que Moisés vos deu a circuncisão (se bem que ela não vem dele, mas dos patriarcas[ou seja Abraão] ), no sábado circuncidais um homem. E, se o homem pode ser circuncidado em dia de sábado, para que a lei de Moisés não seja violada, por que vos indignais contra mim, pelo fato de eu ter curado, num sábado, ao todo, um homem?”(João 7:22-23).

Se a lei da circuncisão tinha precedência sobre a lei do sábado, com que base podem alguns ensinam que a lei do sábado é vinculativa para os crentes, mas a lei da circuncisão não o é? Somente por fecharem os seus olhos para os fatos das escrituras.

Porque teria precedência a lei da circuncisão sobre o sábado? Porque a circuncisão era o símbolo da aliança Abraâmica (Génesis 17:10-11) que foi confirmada pelo sacrifício perfeito de Cristo (Romanos 15:8); enquanto que o sábado era um símbolo da aliança Moisaica (Êxodo 31:17), confirmada pelos ineficazes sacrifícios animais (Hebreus 9:19). Assim como a aliança Abraâmica superava a aliança Moisaica (Hebreus 8:8), a Lei belamente ensinou este princípio ao dar supremacia a uma sobre a outra.

 

A Profecia em Tipo e Ritual

 

O Novo Testamento mostra que a circuncisão ainda tem lugar na vida do crente através das lições espirituais que representa. Enquanto que este rito não é mais obrigatório (Gálatas 5:11), o seu significado espiritual é certamente mantido (Romanos 2:28-29). Enquanto que o sábado foi era celebrado no sétimo dia da semana, o rito da circuncisão era praticado no oitavo dia da vida de um menino. Existe um significado para isto, pois profeticamente nas Escrituras, um dia pode representar “mil anos” (2 Pedro 3:8).

O Sábado indica o sétimo milénio (cada um de mil anos) desde a criação, que testemunhará um temo de descanso nacional para o pecado e mal através do reino justo do Senhor Jesus Cristo (Jeremias 3:17; Salmo 72). Então, o mundo se virará para Deus (Isaías 2:2-4), e Jerusalém se tornará o centro de culto (Zacarias 14:16).

O Senhor será ajudado nesse dia pelos seus seguidores ressuscitados e imortalizados (Romanos 2:7; Mateus 19:29; 1 Coríntios 15:23, 51-56), que, como sacerdócio real, reinarão com Cristo na terra (Apocalipse 5:9-10). Este grandioso sábado de mil anos, testemunhará guias e governadores imortais, reinando sobre as populações mortais da terra, julgando e rejeitando pecadores (Isaías 65:17-25), e trazendo a humanidade em sujeição a Deus. Paz universal e justiça (descanso do pecado) se seguirá, pois os homens deixarão os seus prórpios caminhos e se “deleitarão” no Senhor (Miqueias 4:1-4; Salmo 37:11).

 

Este descanso milenar, que o descanso do sábado era uma sombra, será seguido pelo oitavo milénio do qual a circuncisão era um tipo. Antes de ser inaugurado, “O último inimigo a ser destruído é a morte”, e Deus será revelado “tudo em todos” (1 Coríntios 15:24-28). Todo os que foram rebeldes durante o reino de mil anos de Cristo serão “cortados fora” na morte, enquanto que a imortalidade será concedida àqueles que provaram ser dignos dela (Apocalipse 20:5-6, 12-15). A morte será bolida da terra, e assim o oitavo milénio ilustra e cumpre aquilo que era apontado pela circuncisão(o símbolo da aliança Abraâmica): o cortar da carne mortal da terra, e a revelação completa do propósito de Deus na criação, pois a glória do Senhor cobrirá a terra assim como as àguas do mar (Números 14:21).

 

Como o Sábado Deve ser Observado nos Dias de Hoje

 

O sábado, hoje, é tão vinculativo para os crentes como é a lei da circuncisão. Mas somente na sua aplicação simbólica como ensidado pelos apóstolos. Paulo escreveu sobre a circuncisão como sendo “do coração, no espírito, não segundo a letra” (Romanos 2:28-29). Ele explicou que a “circuncisão espiritual” não é “da carne”, comentando: “Nele[Jesus], também fostes circuncidados, não por intermédio de mãos, mas no despojamento do corpo da carne, que é a circuncisão de Cristo[sua crucificação), tendo sido sepultados, juntamente com ele, no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados mediante a fé...” (Colossenses 2:11-12).

 

O ritual literal da circuncisão cortava uma porção de carne; a circuncisão espiritual faz o mesmo mas num sentido figurado (Colossenses 3:8-11). Uma pessoa circuncidada espiritualmente, nega-se a si mesmo, para que possa seguir Cristo. O primeiro ato de obediência que Cristo requer de tais, é o batismo em seu nome, baseado em conhecimento são (Marcos 16:16) – pois, pela imersão total em água o crente é simbolicamente “cortado” da vida em uma morte figurada.

A circuncisão deve ser realizada em sentido espiritual, que dizer do sábado? A Bíblia diz: “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir; porém o corpo[a realidade] é de Cristo” (Colossenses 2:16-17).

O sábado é apresentado com sombra de algo que seria revelado em Cristo como explica Hebreus 4:4, “Resta um repouso[Sábado] para o povo de Deus. Porque aquele que entrou no descanso de Deus, também ele mesmo descansou de suas obras, como Deus das suas. Esforcemo-nos, pois, por entrar naquele DESCANSO, a fim de que ninguém caia, segundo o mesmo exemplo de desobediência.” (Hebreus 4:9-11).

Um verdadeiro seguidor do Senhor observa o sábado de maneira figurativa quando diariamente se esforça em cessar as suas próprias obras carnais, e segue o exemplo de Cristo. Paulo exortou a tais “Esforcemo-nos, pois, por entrar naquele descanso”, pois é o único de importância real aos olhos de Deus e Cristo.

 

Essa é a forma em que o sábado deve ser observado hoje. E deve ser observado, não um dia em sete, mas cada dia de nossas vidas.

Como os sacerdotes no templo que não estavam vinculados pela lei do sábado, mas observavam os seus princípios todos os dias, assim a vida dos crentes deve ser uma peregrinação diária em direção ao Reino de Deus. Todos os dias serão assim feitos santos para Ele.

 

O Perigo do Sabatismo

A primeira heresia introduzida nas comunidades da primitiva igreja Cristã era uma tentativa de sobre-impor a lei Judaica sobre os ensinamentos de Cristo. Aqueles heréticos afirmavam “é necessário.... que observem a lei de Moisés” (Atos 15:5). Este ensinamento foi vigorosamente refutado pelos Apóstolos que ensinavam os crentes gentios: “Visto sabermos que alguns [que saíram] de entre nós, sem nenhuma autorização, vos têm perturbado com palavras, transtornando a vossa alma” (Atos 15_24).

Ao mesmo tempo, os Apóstolos recomendaram que haviam certos aspectos da Lei que os gentios eram aconselhados a cumprir(veja v. 24 – 29), mas é significativo que a guarda do sétimo dia não está entre essas coisas.

Mas porque não foi isso incluído nas recomendações dos Apóstolos nesta ocasião? Porque a Lei foi cumprida em Cristo, e a instituição do sábado é exclusivamente uma característica da Lei (Gálatas 4:9-10). De fato, Paulo condenou a imposição do sabatismo: “Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente.” (Romanos 14:5).

 

Paulo mostrou que observar um dia em vez de outro era assunto de pouca coisa. Os Cristãos Judeus, sem dúvida, gostariam de continuar a observar o sábado como um dia de descanso; e não havia qualquer mal nisso, desde que não tentassem impor as mesmas restrições sobre os seus irmãos gentios, ou que essa observância do sétimo dia lhes permitisse evitar as reuniões regulares estabelecidas pelos Apóstolos (Atos 2:41-42).

 

Parece que alguns dos Cristãos Judeus faziam isso – elevar o sábado acima da reunião instituída por Cristo. Isso, pode ter levado Paulo a escrever a reprimenda aos Hebreus: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns” (Hebreus 10:25).

 

Ele admoestou-os que não deviam dar mais importância a certos dias, como o sábado: “Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Receio de vós tenha eu trabalhado em vão para convosco.” (Gálatas 4:10-11).

 

O Novo Testamento não sublinha a importância nem do sétimo nem do primeiro dia como tendo significado especial, mas enfatiza que todos os dias devem ser usados como uma oportunidade para servir e adorar Deus.

 

Os Apóstolos Se Reuniam No Primeiro Dia

Mas embora o Novo Testamento não exija que o sábado ou domingo sejam elevados como dia santo, como a Lei fazia antes, as comunidades primitivas de crentes se reuniam regularmente paracomunhão religiosa no primeiro dia da semana, e não no sétimo. Assim: “No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão...” (Atos 20:7). “No primeiro dia da semana, cada um de vós ponha de parte, em casa, conforme a sua prosperidade, e vá juntando, para que se não façam coletas quando eu for.” (1 Coríntios 16:2).

 

Se os Apóstolos se reuniam para comunhão no primeiro dia da semana, o que faziam eles no sétimo dia? Ele iam para as sinagogas ondes os Judeus se reuniam, para proclamarem a eles a doutrina do Cristo ressurrecto. Paulo fez isso em Antioquia (Atos 13:14, 44), Corínto (Atos 18:4), e em Éfeso regularmente por três meses (Atos 19:8). Em Tessalónica “Paulo, segundo o seu costume, foi procurá-los[aos Judeus na Sinagoga, v. 1] e, por três sábados, arrazoou com eles acerca das Escrituras” (Atos 17:2).

Os Apóstolos usavam o sábado Judaico como uma oportunidade para arrazoarem com os Judeus, e se reuniam com os crentes no primeiro dia da semana. Na verdade, os registos históricos mostram que sempre foi o hábito dos Cristãos se reunirem no primeiro dia da semana; e esta prática data desde o tempo dos Apóstolos como já mostramos desde o registo de Atos.

Eis aqui extratos confimativos dos primeiros escritores eclesiásticos: Eusébio (cerca de 324 d.C) escreveu: “Não observamos a circuncisão nem o sábado, porque tais coisas como estas não pertencem aos Cristãos”. Anatólio (270 d.C.) disse: “A obrigação da ressurreição do Senhor nos constrange a manter o festival pascal no dia do Senhor” (o primeiro dia quando ele ressuscitou dos mortos). Justino Mártir (140 d.C.) afirmou: “Domingo é o dia no qual temos a nossa assembleia; já que é o primeiro dia em que Deus fez o mundo; e Jesus Cristo, nosso Salvador, se levantou dos mortos nesse dia.” Ele descreve o culto Cristão assim: “No dia chamado Domingo há uma reunião no mesmo lugar para todos os que vivem na cidade ou campo, e o memorando dos apóstolos, ou escritos dos profetas, são lidos pelo tempo necessário. Depois de o leitor terminar, o presidente se levante e apresenta orações. Então são tomados o pão e o vinho.” Inácio (cerca de 100 d.C.), discípulo de João escreveu: “Aqueles que estavam preocupados com coisas do passado, vieram à novidade da confiança, não mais guardando sábados, mas vivendo segundo o dia do Senhor, no qual a nossa vida depende como ressurretos por ele.”

 

Estas afirmações dos registos da história eclesiástica demonstram que os primeiros crentes não observavam o sábado como alegado, e para mais revelam que a afirmação, tão confiantemente avançada pelos Adventistas do Sétimo Dia e outros, que o hábito de ter reuniões religiosas no Domingo se deve a um decreto de Constantino no 4 século, está bastante incorreto. Constantino meramente confirmou por uma lei específica o que tinha sido prática dos verdadeiros discípulos de Cristo nos dias Apostólicos.

 

Deus Altera As Suas Leis?

Uma falácia comum é a afirmação de que Deus não muda as Suas Leis, e já que a lei do sábado foi estabelecida por Deus, então ainda está em vigor. Mas, de fato, Deus mudou muitas leis no passado. Ele decretou a lei da circuncisão física. Ele estabeleceu o princípio dos sacrifícios de animais. Ele ordenou que todos os Israelitas adorassem em Jerusalém (Deuteronómio 12:5-7).

Essas leis foram mudadas, e dadas um novo significado em Cristo. E assim, também, com a lei do sábado. A Lei de Moisés era para ser um aio levando os homens até Cristo (Gálatas 3:24). Quando Cristo veio, se deu uma alteração na lei, fazendo com que Paulo proclamasse que “Foi adicionada[a Lei] por causa das transgressões, ATÉ que viesse o descendente a quem se fez a promessa” (v. 19).

Ilustrando a realidade do pecado, a Lei trouxe todos os homem para baixo da sua maldição, porque todos eram culpados de transgressão. Assim ela revelou a necessidade da graça e perdão divinos; nas ela própria não podia prover isso. Isto foi revelado em Cristo, que, através do perdão de pecados, pode salvar a humanidade da maldição da Lei (Gálatas 3:13), e trazê-lo para a sua gloriosa “lei da liberdade” (1 Coríntios 9:21, Tiago 1:25).

Os requerimentos de Cristo são: Primeiro, um entendimento correto do Evangelho; Segundo, obediência ao Evanhelho através das águas do batismo; e, Terceiro, manifestar o caminho de vida correto em obediência aos seus mandamentos (Mateus 28:19-20).

Aqueles que cumprirem essas obrigações estarão “guardando o sábado” no seu significado verdadeiro e espiritual dia a dia, e não necessitarão um dia em sete para relembrá-los das suas responsabilidades. Eles virão a entender o significado da afirmação de Paulo: “a letra mata, mas o espírito vivifica.” (2 Coríntios 3:6).

 

Aqueles que assim fizerem serão capazes de anticipar com confiança o vindouro descanso sabático, quando Cristo reinar na terra e eles serão vestidos de imortalidade, não mais aprisionados à nossa natureza mortal com suas provações e tentações. “ Esforcemo-nos, pois, por entrarNAQUELE descanso” (Hebreus 4:11).

 

O Dia de Descanso Está Próximo

 

O fim dos seis dias milenares desde a criação, está próximo. O sétimo trará o cumprimento de todos os princípio do sábado no descanso que Jesus introduzirá. A Bíblia fala de muitos sinais que indicam a aproximação desse grande dia.

publicado por boasnovasreinodeus às 15:47
link do post | comentar | favorito
|

Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/

Contacto

Email para colocar questões ou pedir curso Bíblico grátis: curso_gratis@hotmail.com

pesquisar

 

Formspring

posts recentes

A HERANÇA DOS SANTOS É CE...

O Caminho da Vida - O que...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

O Sábado na Dispensação C...

Guardar o Sábado

Lúcifer - A verdade sobre...

POSSESSÃO DEMONÍACA

O Caminho da Vida - 1 - A...

O Diabo e Satanás

"... que sinal haverá da ...

"Vós sois as minhas teste...

Êxodo

Génesis

Céu e Inferno

Refutação - Sábado - Adve...

O Verdadeiro Sábado

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

arquivos

Maio 2013

Novembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

GeoCount


contador gratis

links

subscrever feeds