Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/
Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2011

O Diabo e Satanás

Uma das razões fortes para concluir que não pode haver nenhum ser sobrenatural do mal é o silêncio das Escrituras sobre tal ser naquelas partes onde o pecado e a tentação são descritos e discutidos. Toda a extensão da história patriarcal, com seus muitos lapsos é colocada diante de nós sem menção de um autor sobrenatural do pecado. Mais impressionante é o relato da jornada pelo deserto tão notável por suas muitas transgressões. Que tal registo foi mantido e fornecido sem uma menção sobre um gênio do mal por trás dos bastidores é um argumento irresistível contra a existência de tal monstro. Um argumento semelhante encontra-se no silêncio do apóstolo Paulo quando ele discute em suas epístolas aos Romanos e aos Gálatas o caminho da salvação. Os problemas do pecado são tratados em detalhe nesses escritos e sua solução por meio da morte do Senhor Jesus Cristo é explicada, e tudo isso é feito sem referência a essa criatura inquieta de quem se diz ser responsável por todos os pecados.


É fácil argumentar especiosamente e até mesmo falsamente a partir do silêncio. Aqui, no entanto, o silêncio das Escrituras pode ser dito que fala decisivamente contra um demônio pessoal. Tantos crimes são descritos nesta história do Antigo Testamento sem a menor sugestão de que alguém mais do que o pecado humano esteja envolvido nisso. O pecado de Acã em Jericó pode servir como um exemplo. Informações completas sobre a transgressão deste homem são fornecidas: como ele com todo o Israel foi advertido, como ele se apoderou da propriedade proibida e escondeu-a, como resultou em desastre, como ele foi descoberto e apedrejado até à morte - todos esses detalhes são fornecidos, mas nunca há suspeita de que um outro ser, muito mais forte e mais capaz, estavisse trabalhando com zelo invisível para obrigar Acã a desobedecer. Poderíamos estudar a conspiração de Coré, Datã e Abirão, da mesma forma, e ficar impressionados com o mesmo resultado negativo. Talvez o tratamento inspirado do caminho da salvação nas epístolas seja ainda mais decisivo. Se esse diabo pessoal é a fonte principal de todo o pecado porque ele é tratado como inexistente nas Escrituras que parecem exigir a sua inclusão pela natureza do assunto? A resposta é que tal monstro é inexistente.


Há, é claro, um argumento positivo que é ainda mais poderoso. A fonte do pecado é a carne, e isso é afirmado tão claramente e repetidamente que não podemos ter qualquer dúvida razoável sobre o assunto. “Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias.

 20 São estas as coisas que contaminam o homem;” (Mat 15:19-20 ARA). Estas são as palavras do próprio Cristo, em resposta à acusação dos fariseus que seus discípulos não tinham lavado as mãos antes de comer e assim ficarem contaminados.


O apóstolo Paulo ensina a mesma lição por escrito aos Gálatas: “Digo, porém: andai no Espírito e jamais satisfareis à concupiscência da carne. Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer.” (Gál 5:16-17 ARA).Aqui está uma poderosa declaração explicando a origem do pecado. Ele é seguido por uma lista de pecados que podem ser comparados ao que é dado pelo Senhor Jesus. “as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas” (Gal 5:19-21 ARA)A única tentativa imaginável ​​para fugir da lição ensinada por essas passagens é derrubada por Tiago onde ele localiza a fonte de tentação “Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta. Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.” (Tiago 1:13-15 ARA) Tal afirmação clara da origem do pecado não precisa de comentário. A tragédia da produção do pecado é promulgada sem a intervenção de um ator externo.


Leitura cuidadosa das Escrituras sobre o sacrifício de Cristo confirma estas conclusões sobre o pecado. Cristo condenou o pecado na carne, ele removeu o pecado pelo sacrifício de si mesmo, e somos informados de que o propósito da crucificação era destruir o corpo do pecado – para que o corpo do pecado fosse destruído.


Apesar de todas estas coisas serem compreendidas e aceites, um problema interessante permanece para ser resolvido. É o problema da utilização dos termos pessoais "diabo" e "satanás" no Novo Testamento. Por que achamos esses empregados com tanta frequência? O uso de personificação em literatura é usual e tal uso na Bíblia é bem conhecido. A personificação da "Sabedoria" no livro de Provérbios se destaca como um exemplo forte e eloquente desse estilo de composição. Citar estes exemplos não é suficiente para resolver o nosso problema sobre o uso de "diabo" e "satanás". Esses termos são usados ​​com tanta frequência e com tal consistência sustentada que eles representam um desafio para o estudante da Bíblia. Desde o início de Mateus até o final de Apocalipse lemos diabo e satanás e devemos tentar entendê-los. Porque são tão utilizados? Há lições sobre o assunto do pecado para ser aprendidas com esses termos?


Começamos a encontrar a resposta para o nosso problema, observando a informação interessante e importante fornecida pelo Apocalipse. É a identidade do "dragão", "serpente", "diabo" e "satanás". A passagem é bem conhecida: “E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo” (Apo 12:9 ARA).


A frase "a antiga serpente" é sugestiva. Ela transporta a mente de volta ao Jardim do Éden, onde o pecado veio pela primeira vez à existência. Traz-nos cara a cara, não com o diabo da teologia humana, mas com a serpente, o mais astuto de todos os animais do campo. Ela nos obriga a olhar novamente para a tragédia do primeiro pecado do homem, e considerar de novo o caráter desse pecado e o papel desempenhado pela serpente ao incitá-lo. Ao mencionar a "antiga serpente" o Apocalipse sugere uma conexão entre o início do pecado e o poder pecaminoso que João está descrevendo. E aqui nós nos lembramos das muitas ocorrências da palavra "serpente" e seus equivalentes em toda a Bíblia. Estes falam de pecado.


"Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura?" (Mateus 3:7). Esta era a pergunta de João Batista aos fariseus e saduceus. A linguagem que Jesus usou ao falar com certos fariseus é similar: “Raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração.” (Mat 12:34 ARA) Chamar esses homens de maus usando tal nome é relacioná-los com a serpente do Éden. Eles são a geração da serpente – raça de víboras. É, portanto comparar sua conduta pecaminosa ao da "a antiga serpente." Diz-nos, além disso, que os pecadores continuam o trabalho terrível do primeiro tentador, que desencaminhou nossos pais.


Na profecia de Isaías é encontrado outra ilustração do uso do termo "serpente" que é esclarecedor. Depois de descrever a queda de Babilônia, vem o aviso: "Alegra-te, não te Filístia toda, porque a vara que te feria; é quebrado: para sair da raiz da cobra sairá um basilisco e seu fruto será uma serpente voadora."


Esta passagem é útil. Ele mostra como um poder como Babylon pode ser o representante da serpente original por causa da sua pecaminosidade, mostra ainda que há uma sucessão de serpentes com o passar dos anos. Em outras palavras, há sempre uma serpente. Ainda por outras palavras, aquela "antiga serpente" terá sempre neste mundo imerso em maldade, homens e mulheres, reis e reinos, poderes e instituições; uns e outros, ou juntos muitos a representam em sua oposição ao conselho de Deus.


Um bom exemplo do uso da serpente se encontra na exposição de Paulo sobre a ressurreição. “Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.” (1 Co 15:55-56 ARA)


A referência serpente é vista na escolha da palavra "aguilhão" como a causa da morte. A picada provoca a morte, e o pecado causa a morte. Uma comparação que tem suas raízes na história do Jardim do Éden. Outro exemplo que vem à mente é a de serpentes causarem a morte sobre os israelitas por sua rebelião contra Deus. Em resposta à oração de Moisés, ele foi ordenado fazer uma serpente de bronze e colocá-la em um poste para que os israelitas atingidos podessem olhar para ela e serem curados. O significado é óbvio. As serpentes os feriram, e as serpentes representavam o pecado que cometeram. E depois foi com a morte simbólica do pecado em si que os israelitas recuperaram a saúde.


A referência do símbolo da serpente ao Éden é bastante óbvio.

Temos agora a examinar os outros três termos. Porque é explicado de forma definitiva que a serpente é o diabo e satanás e o dragão, seria razoável esperar o mesmo tipo de alusão edênico em passagens onde estes termos são encontrados. É exatamente este tipo de referência que nós encontramos. Antes de demonstrar esta conclusão, será necessário estudar a transação do Éden, em promenor.


Adão era pré-eminente entre as criaturas de Deus. Ele havia sido especialmente criado e foi colocado como mestre de todos os outros seres vivos. "Tu tem domínio", foi o arranjo divino. E não só isso: ele teve o privilégio de conhecer a Deus, ter comunhão com Deus, e assim sabia quais eram as exigências de Deus. Ele estava em uma posição exaltada de conhecer a sabedoria divina. A serpente era o mais astuto de todos os animais do campo, e esta serpente falou a Eva - a Eva que partilhou com o marido o conhecimento divino. Aqui ela estava colocada, por assim dizer, entre a sabedoria de Deus e a sabedoria da serpente, e deve ser lembrado que a sabedoria da serpente estava em contradição direta com a sabedoria de Deus. Para manter a palavra de Deus era preciso rejeitar as palavras da serpente; escutar a serpente era rejeitar a palavra de Deus. O que fez Eva, e Adão depois dela, foi obedecer a serpente e colocar de lado a palavra de Deus. A proibição sobre a árvore do conhecimento do bem e do mal foi desconsiderada em favor das mentiras plausíveis e promessas da serpente subtil. A palavra de Deus desobedecida; a palavra da serpente aceite: nisto é visto o caráter negro da primeira desobediência do homem.


A primeira menção de "diabo" no Novo Testamento, é encontrada no relato da tentação de Cristo. Somos capazes de encontrar neste relato algo como a história do Éden? A resposta é uma afirmação forte. Lendo cuidadosamente somos capazes de discernir o padrão da tentação do Éden destacando-se claramente, com um resultado diferente, porque Jesus resistiu onde Adão e Eva sucumbiram, porque Jesus manteve a palavra de Deus e desprezou as lisonjas da tentação que vieram sobre ele. Cristo tinha estado no deserto quarenta dias e quarenta noites, e depois teve fome. O tentador, disse-lhe: “Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães.” (Mat 4:3 ARA) É possível entender essa tentação, comparando-a com a tentação que sobreveio aos israelitas no deserto. Deus havia colocado Jesus ali(“foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto” (Mat 4:1 ARA)) assim como os israelitas foram levados pelo deserto. Isso por si só era uma garantia de que Deus iria prover. Diz-se que os israelitas sofreram fome para que soubessem que o homem não vive somente de pão, mas de toda palavra que procede da boca de Deus. As queixas do povo foi afastar deles a palavra de Deus, a palavra de Sua promessa de mantê-los e alimentá-los. Suas reclamações, portanto, em princípio, foram como a ação de Adão e Eva no desrespeitando pela palavra de Deus. Assim a tentação do Éden confrontou o Senhor Jesus. Ele tinha aprendido todas as lições da jornada no deserto; ele tinha a garantia da provisão de Deus de comida suficiente. Portanto, quando veio a tentação, nascida da longa abstinência e carregada com todo o apelo e persuasão da carne, veio como o apelo da serpente. Era um duelo entre o pensamento da carne e o pensamento do Espírito, que ele estava comprometido a seguir, exatamente como no Éden tinha sido também um duelo entre o pensamento de carne, representado pela serpente, e o pensamento do Espírito representado pelas instruções de Deus para não comer da árvore proibida. Esta semelhança explica o uso da palavra diabo na narrativa. Embora a tentação decorresse da sua fome natural - a tentação da carne, que está sempre pronta militar contra o Espírito - encaixa no padrão da tentação no Éden. E somos lembrados dessa semelhança, para que possamos entender melhor a lição essencial, a saber, que o pecado é a transgressão da lei de Deus sempre. É sempre a anulação da Palavra de Deus. E isso significa que sempre é o raciocínio carnal.


Para que possamos detetar melhor o nome "diabo" para a serpente no deserto, nessas tentações, temos a passagem utilizada a partir do Salmo 91 na segunda tentativa seguida de uma promessa: "Pisarás o leão e a áspide" (Salmo 91 : 13). Se alguém está disposto a imaginar um tentador pessoal nestas cenas, que explique a ação de Cristo em acompanhar tal ser ao pináculo do templo e para o topo da alta montanha. Estes movimentos são compreensíveis como viagens mentais; como vôos da mente da carne buscando ganhar o domínio. Cristo era o dono da situação, mantendo o seu próprio corpo por um controle eficaz, a Palavra, "está escrito".


A razão pela qual Cristo chamou Pedro de Satanás é a mesma. A tentação que ele estava trazendo à tona contra o seu mestre caiu no padrão da tentação edênica. O Senhor sabia que tinha de sofrer e morrer. Ele sabia que era de acordo com o conselho determinado e presciência de Deus. Era tudo de acordo com as Escrituras. Pedro não compreendeu nada disso na época e em sua ignorância iria remover o Senhor do caminho da obediência à Palavra. Com a rapidez de entendimento que o fez único, Jesus viu o perigo, e repreendeu Pedro. Os termos da repreensão, envia-nos ao Éden: "Arreda, Satanás". O apóstolo então agiu como a serpente, daí o termo Satanás, um dos nomes da serpente. Aqui é interessante notar que este raciocínio satânico (e, portanto, serpentino) é descrito pelo Senhor como as coisas que são dos homens em contraste com as coisas que são de Deus.


Na segunda epístola de Paulo aos coríntios, o apóstolo faz uma referência ao pecado no Éden que é interessante como uma confirmação da sugestão apresentada neste estudo. No início do capítulo 11, ele expressa seus temores que os crentes poderiam ser corrompidos e afastados dos simples ensinamentos de Cristo como Eva foi enganada pela serpente. Mais tarde no capítulo ele adverte contra “falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, transformando-se em apóstolos de Cristo”, em seguida, segue uma passagem marcante: " E não é de admirar, porque o próprio Satanás se transforma em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus próprios ministros se transformem em ministros de justice” (2Co 11:15 ARA). A referência à serpente é uma referência a Satanás; falsos mestres de discurso sedutor são descritos como seus ministros que adotam o seu método, plausível e enganoso.


A partir daqui pode-se passar à consideração daqueles que são chamados os filhos de Satanás ou do Diabo. O encontro entre Paulo e o feiticeiro na Ilha de Chipre serve como um bom começo. O apóstolo tinha pregado e estava em processo de conversão do procônsul para a Verdade. Elimas, o feiticeiro, resistiu e tentou afastar o oficial da fé. Essa oposição só deve lembrar-nos de como isso tinha sido feito no caso de Eva; ela foi, certamente, afastada da fé pela serpente. Sabendo disso, as palavras de Paulo a este feiticeiro do mal estão cheios de lembretes do Éden: “Ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os retos caminhos do Senhor?” (Act 13:10 ARA).


As palavras de João sobre aqueles que seguem os ensinamentos da serpente se referem principalmente a Caim. Ele estabelece a regra de que quem comete pecado é do diabo. Tendo observado os exemplos diante de nós poderíamos perguntar se aqui a regra se mantém verdadeira esperando de nós um retorno à história do Éden para a compreensão das suas palavras. Não ficamos em dúvida depois de ler a passagem até ao final, e sua referência a Caim é o elo inconfundível, que Caim foi o primeiro nascido do pecado depois da queda, e um assassino. Sua ação foi em sucessão direta ao pecado da desobediência solicitado pela serpente.


Esta associação se reflete no discurso do Senhor Jesus sobre o diabo em João 8. Ele chama aos judeus que se lhe opunham filhos do diabo; "vós sois de vosso pai, o diabo". O Seu raciocínio era o seguinte: eles queriam matá-lo, e nisso eles foram seguindo o exemplo do diabo, que "foi homicida desde o princípio". Somos ajudados em nosso processo de identificação por mais palavras tais como: "Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio: Porque ele é um mentiroso e pai da mentira" O pai da mentira foi a serpente, de modo que somos levados aqui a essa conclusão claramente constatada em Apocalipse 12:9, ou seja, que a serpente e o diabo são uma e a mesma coisa. Voltando a Caim, vemos nele um assassino, e, portanto, um filho fiel do diabo ou da serpente. Após esta menção de filhos do diabo, será útil citar a definição do joio como os "filhos do maligno", sendo semeado pelo diabo. Esse ensino precoce da carne, tão bem representado hoje, em toda a maldade que exalta o homem acima de Deus, ainda cresce no injustos do mundo. Cresce com toda a pretensão de bondade e sabedoria, enganando tantos em nome da cultura, humanismo etc.

 

WM. Watkins

publicado por boasnovasreinodeus às 19:17
link do post | comentar | favorito
|

Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/

Contacto

Email para colocar questões ou pedir curso Bíblico grátis: curso_gratis@hotmail.com

pesquisar

 

Formspring

posts recentes

A HERANÇA DOS SANTOS É CE...

O Caminho da Vida - O que...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

O Sábado na Dispensação C...

Guardar o Sábado

Lúcifer - A verdade sobre...

POSSESSÃO DEMONÍACA

O Caminho da Vida - 1 - A...

O Diabo e Satanás

"... que sinal haverá da ...

"Vós sois as minhas teste...

Êxodo

Génesis

Céu e Inferno

Refutação - Sábado - Adve...

O Verdadeiro Sábado

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

arquivos

Maio 2013

Novembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

GeoCount


contador gratis

links

subscrever feeds