Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/
Domingo, 12 de Fevereiro de 2012

O Sábado na Dispensação Cristã

EMBORA isto tenha sido concebido como uma resposta àqueles que dizem que os cristãos devem observar o sétimo dia como um dia de descanso deve ser dito logo à partida que não procuramos impedir qualquer pessoa que sinta que isso seja desejável para si própria. Todo homem é permitido a liberdade de estar plenamente convicto em sua própria mente (Romanos 14:5), mas somos obrigados a resistir a qualquer tentativa de estabelecer uma lei para os outros, e assim estando de fato a julgá-los (14:10 ). Nesta passagem, Paulo parece estar advertindo-nos contra aqueles que fazem essa tentativa, ou que apresentam demandas sobre o que deve ser comido ou não (14:3, 14), e deve-se notar que, quando ele divide os irmãos em fortes e fracos, são aqueles que não se permitem a liberdade que são chamados de fracos. A abstinência não é em si um sinal de força.

É notável que Paulo, escrevendo a uma igreja mista de judeus e gentios, tenha-se referido à santificação dos dias dessa maneira, pois deve anteriormente ter sido o costume judeu de guardar o sábado, e não da parte dos gentios. Se Paulo quisesse insistir que o sábado devesse ser guardado pelos gentios, é praticamente inevitável que essa permissão aparente de tratá-lo como os outros dias tivesse sido mal interpretada: e, inversamente, se tivesse realmente sido o desejo de Paulo de que o sábado devesse ser separado , é inconcebível que como uma pessoa lúcida (para não falar de um apóstolo inspirado), ele não tivesse dito, neste contexto, nada nesse sentido.

Mas, na verdade a situação é ainda mais notável. Parte do caso para guardar o sábado é que a sua santificação faz parte dos Dez Mandamentos, e que o resto dos Dez Mandamentos ainda está em vigor. Mas, neste contexto, Paul acabara de escrever sobre alguns aspetos desta lei: assassinato, adultério e cobiça são incluídos em "Amarás ao teu próximo como a ti mesmo" (13:9). No entanto, ele pode ao mesmo tempo avançar e dizer que é indiferente fazer distinção de dias ou não! Aqueles que conheciam os Dez Mandamentos não poderiam escapar a conclusão inferida aqui. Não faz nenhuma diferença que, como alguns supõem, Paulo possa ter escrito no décimo quarto capítulo sobre dias santos dos gentios e não judaicos, exceto que podemos dizer, de passagem, que não é provável que ele tivesse visto com prazer a continuação da santificação dos dias dedicados aos ídolos; pois o fato permanece que quaisquer conclusões que os membros judeus da igreja pudessem tirar sobre dias dos gentios, os gentios poderiam, com a mesma razão, tirar sobre o sábado. "Todos os dias iguais" (14:5) simplesmente não permite "um dia diferente", como uma questão de obrigação.

Esta conclusão é reforçada em Colossenses 2. Jesus, por sua cruz, aboliu a lei que estava contra nós (2:14), e imediatamente somos fortalecidos contra sermos julgados sobre comida, bebida, festa, lua nova ou sábado (2:16). Novamente, esta igreja deve ter incluído muitos gentios, e a conclusão a que teriam chegado não pode ser ignorada. Aqueles que defendem a necessidade de guardar o sábado dizem que não é dos sábados normais, que estão aqui previstos, mas o "sábado alto" especial associado com outras festas. Mas isso não pode ser aceite, em primeiro lugar porque as outras festas já foram mencionadas, e os seus sábados estarão incluídos nelas, em segundo lugar, porque, como a lua nova acontece em cada mês, por isso, é razoável supor que os sábados, nomeado logo em seguida, ocorrem a cada semana, e, terceiro, porque esta mesma expressão, "luas novas e sábados", ocorre em Ezequiel. 46:1, 3. Esta última é particularmente importante, porque aqueles que acreditam que devemos guardar o sábado nos dias de hoje apontam para o futuro, quando passagens como esta sugerem que ele vai ser de novo observado, e supõem que a observância é contínua desde os dias Moisaicos até ao Milénio. No entanto, este é exatamente o que a combinação de Ezequiel e Colossenses mostra ser insustentável. Aquilo a que Ezequiel se refere, as luas novas e sábados semanais, é agora em Colossenses dito como uma questão de liberdade.

Mas, novamente nos deparamos com as probabilidades da situação: se Paulo tinha a intenção que os cristãos gentios devessem guardar o sábado, não teria ele sido obrigado a retirar a implicação óbvia dessa passagem que eles não precisam de fazer isso?

Sabatistas (palavra usada não no sentido abusivo, mas simplesmente para resumir a sua posição em uma única palavra) insistem que a Lei que foi cumprida pela Cruz do Senhor Jesus era a lei ritual de oferendas e ordenanças, que é a única, dizem, apropriadamente descrita como a Lei de Moisés. Não incluía os Dez Mandamentos, que são a Lei de Deus, foram dados antes da lei ritual, e foram gravados em pedra pelo dedo de Deus. E particularmente não incluía o sábado, que remonta à criação (Gén 2:3), e fora ordenado a Israel antes mesmo dos Dez Mandamentos serem dados (Êxodo 16:23-30). Os fatos históricos estão corretamente apresentados, mas a conclusão não pode ser sustentada. Por mera prioridade histórica não iria provar que o sábado sobreviveu à morte de Jesus: a aliança da circuncisão era de 400 anos antes da Lei (Gén 17:10; Gál 3:17.), Mas foi de comum acordo feita supérflua pela Cruz (Gál. 5:2). E existe de qualquer maneira, prova irrefutável para mostrar que as conclusões baseadas na escrita sobre a pedra devem ser abandonadas.

Pois é esta mesma parte da lei ,"escrito e gravado em pedra", que Paulo usa como ilustração quando ele a contrasta com a Lei do Espírito (2 Coríntios. 3:3), quando ele diz "a letra mata "(3:6), e fala do" ministério da morte "(3:7) ou o" ministério da condenação "(3:9). Esta aliança gravada em pedra é um símbolo para toda a Antiga Aliança (3:14) para que, em vez de estar separada do restante da Lei, ergue-se como seu representante. É inútil afirmar que, enquanto as duas tábuas de pedra foram colocados dentro da Arca da Aliança o livro da Lei foi meramente colocado ao seu lado, pois em primeiro lugar, o livro teria de estar acessível, e, em segundo, os Dez Mandamentos estavam contidos no livro, bem como sobre a pedra.

Paulo nos obriga a reconhecer, no entanto, que estes mandamentos estão na mesma posição no que diz respeito ao seu cumprimento pela morte de Cristo, assim como o restante da Lei de Moisés. Claro que isso não significa que estamos livres de qualquer coisa contida nesses mandamentos, não mais que o cumprimento do restante da lei significaria que não é mais necessário amar o nosso próximo como a nós mesmos (Lv 19:18) . Mas isso não significa que os mandamentos nas tábuas de pedra, se mantêm apenas na medida em que eles são uma parte autorizada das leis do amor: "Amaras o Senhor teu Deus de todo o teu ser", e "Amarás ao teu próximo como a a ti mesmo ".

A única maneira possível de superar o peso da evidência contra a observância que essas passagens contêm, seria apresentar isso como um mandamento claro e convincente que obrigaria os cristãos a admitir que as palavras de Paulo em Romanos, Colossenses e 2 Coríntios tinham sido incompreendidas. Isso poderia incluir, também, imaginem como Paulo poderia ter-se expressado de forma tão ambígua que o equívoco fora possível, mas essa situação teria de ser aceite.

Mas tal pronunciamento claro não se encontra. Poderíamos ter esperado encontrá-lo, talvez, nessa passagem, onde os Apóstolos decidiram que os gentios não precisavam ser circuncidados (Atos 15), especialmente desde que eles nessa altura estabeleceram certos guias de conduta que eram pedidos aos gentios que observassem ( 15:20, 29). Este teria sido o lugar onde teria sido imposta a guarda do sábado: "Você não precisa ser circuncidado, embora isso tenha sido ordenado antes de Moisés, mas você deve manter o sábado, que também veio antes" ficaria claro, e, se era na verdade, necessário. Como Paulo, Tiago e os anciãos abriram as portas para o mal-entendido, se realmente pensavam que o sábado devia ser guardado: e nós não os podemos debitar por esta falta de antevisão. Mas eles realmente foram um pouco mais além: "Moisés tem de tempos antigos os que pregam, é lido nas sinagogas todos os sábados" (15:21). O lugar adequado para apresentar reivindicações Mosaicas é na sinagoga, e no sábado: não em assembleias cristãs a qualquer momento. E é difícil ver a menção do sábado aqui em conexão com a abandonada pregação Moisaica , senão como uma expressão de liberdade nessa questão também. E tal ideia, originando em Tiago, é provável que tivesse peso em alguns setores que ficariam menos impressionados com a mesma doutrina se tivesse originado em Paulo.

Quando os sabatistas são convidados para apresentar o caso claramente, eles começam (como na publicação dos Adventistas do Sétimo Dia ", Que Sábado devemos guardar?") com referência a Mat. 5:17-19: "Todo aquele que violar um menor destes mandamentos, e assim ensinar aos homens, o mesmo será chamado o menor no reino dos céus". Mas é claro que este dito não tem em especial nada que ver com quer os Dez Mandamentos ou o sábado pois a "lei e os profetas" incluem, não apenas o conjunto do Pentateuco e a maior parte dos escritos históricos e proféticos do Antigo Testamento , mas possivelmente na linguagem popular o resto do Antigo Testamento também (ver Lucas 16:29, 31; 24:27, 44). A proibição contra quebrar os mandamentos não pode, portanto, ser entendida no sentido de que toda a lei é obrigatória nestes dias, porque sabemos que não o é, e assim não pode ser usado para fortalecer a observância do sábado. Deve-se concluir que Jesus diz o seguinte: o meu cumprimento da Lei não é o seu abandono, mas a colocação dele em um plano superior. O que eu ofereço agora não é uma lei mais leve, mas uma forma mais abrangente, e ninguém tem título de oferecer licença em vez de obediência. O plano de obediência é ampliado e aprofundado o seu conteúdo, mas já não diz respeito a mandamentos contidos em ordenanças. Se o sábado está em causa nesta maior obediência é uma questão que não é tocada aqui, e deve ser decidida a partir de outras provas. Isto, de fato, já foi feito, e esta passagem não enfraquece as conclusões ali formadas.

São-nos então, apresentadas duas passagens do Antigo Testamento que abençoam aqueles que observam o sábado. Elas são Isa. 58:13-14 e 66:22-23. A fragilidade de tais provas para esta dispensação está evidente antes de ser examinada, e o exame em si não muda esse panorama. A passagem anterior leva os culpados por quebrar o sábado da nação judaica pela mão, e diz-lhes que se mudarem serão recebidos. Sem dúvida, isso é assim, e outras evidências de que o sábado pode ser reinstituído na época do Reino se harmonizam com isso. Mas isso não tem nada a ver com o dever dos cristãos em nossos dias. E este último ainda mais expressamente diz respeito a esse tempo, e novamente, ao associar a lua nova e sábado para o futuro, destaca a conclusão de Col. 2 que nenhum deles é validamente exigido para o presente.

Em seguida, é dito que Paulo guardava o sábado, e que os gentios que o ouviam nas sinagogas também. Agora, em que medida o próprio Paulo guardava o sábado não é descrito nas Escrituras, mas não precisamos duvidar de que ele tanto descansava e (como está claramente registado) pregava nas sinagogas no mesmo dia. Mas, em relação a isso, os hábitos pessoais de Paulo na matéria não são provas. Ele era circuncidado e tinha ido para Jerusalém, fazia votos rituais, e guardava as festas, mas todo o seu ensinamento deixa claro que ele não exigia tal coisa dos gentios e até mesmo em sua própria conduta ficou muito comovido com a necessidade de ser para os judeus como judeu, para que pudesse ganhar os judeus. E quanto a seus hábitos de sinagoga, e a presença dos gentios para ouvi-lo (Atos 16:13, 17:2; 18:4, 11), é difícil de ver como ele poderia ter pregado lá em qualquer outro momento e mantido a audiência. O sábado era o dia em que os serviços da sinagoga eram realizados e, portanto, o dia em que um judeu que pudesse desejar dar testemunho de Jesus iria e falaria sobre ele. E deve ser dito de passagem que estar presente na sinagoga não fazia parte da prescrição divina de guardar o sábado: era um costume judeu salutar e útil, mas para aproveitá-lo não há nenhuma indicação de simpatias sabatistas.

Além disso, é nos apontado o aviso de que aqueles que veriam a destruição de Jerusalém deviam orar para que a sua fuga não acontecesse "no inverno nem no sábado" (Mateus 24:20). O livrinho que citamos diz que isso mostra que "Cristo ensinou que o sábado do quarto mandamento seria obrigatório até mesmo em 70 d.C.". Mas é claro que não mostra nada do tipo, não estabelece nada mais do que uma festa sagrada de inverno. A referência é, evidentemente, para a inconveniência de viajar às pressas, tanto sob os obstáculos naturais do inverno, e os inconvenientes humanos de um dia ainda geralmente observado como um dia de descanso.

Finalmente, é dito em Lucas 6:5 que "o Filho do homem é senhor também do sábado". O que o livrinho perversamente diz disso é "o sábado é o dia do Senhor". Isso pode ser que seja assim, ou talvez não, mas o versículo não diz nada para sugerir isso. Todo o cenário de fundo é contra o sabatarianismo estrito. Os judeus se queixavam que os discípulos debulhavam o milho nesse dia, e em vez de responder a eles, como ele poderia muito bem ter feito, que isto não era o que Moisés queria dizer com "trabalho servil", o Senhor remete-os para uma violação manifesta da lei por David, em matéria dos pães da proposição. Agora, ele diz, em efeito, vocês reconhecem a autoridade de Davi para quebrar a lei do pão. Eu tenho autoridade ainda maior do que ele na questão do sábado. Qualquer coisa mais destrutiva da opinião de que o sábado é absolutamente inviolável seria difícil de imaginar.

Mas a prática de nosso Senhor neste assunto nos traz mais perto de uma conclusão positiva. Todas as evidências em favor da observância do sábado já foram descartadas, mas Jesus tem outra coisa a dizer. Na questão do homem com a mão atrofiada, afirmou que é lícito fazer o bem no sábado, ele autoriza o resgate e alimentação de animais neste dia, e ele diz também, quando as atividades no sábado foram postas em causa, "Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também". "Até aqui" significa "até agora", e sugere que o verdadeiro trabalho de Deus ainda não foi concluído, e seu verdadeiro descanso ainda não chegou. Ele sugere, também, que as obras de Deus ainda são a obra dos discípulos de Jesus antes da chegada do grande descanso, e isso leva-nos ao ensinamento final e convincente da Epístola aos Hebreus.
"Deus descansou no sétimo dia de todos os seus trabalhos. . . . Portanto, resta um repouso sabático para o povo de Deus. "O descanso de Deus é aquele em que os seus santos irão compartilhar. Foi negada a Israel quando eles entraram em Canaã por conta de sua indignidade, e a exortação é para todos, "Esforcemo-nos, para entrar naquele descanso". É um descanso futuro, e ainda é, em certo sentido presente também. "Nós que temos crido, entramos no repouso", e toda a vida cristã é um sábado. Antes de Jesus vir servia para dar descanso àqueles que trabalhavam e estavam cansados e oprimidos, estávamos abatidos em nossa semana de trabalho diário de obras carnais. Não havia descanso para nós nesse tempo, nem a paz também. A nossa lei era uma lei das obras, e nós não podíamos ter descanso, nem poderiam as nossas obras nos trazer alguma recompensa. Mas agora é diferente. A lei da fé tornou-nos livres da lei do pecado e da morte, fé e as obras estão em contradição. "Nós que acreditamos (ou seja, ter fé), entramos no descanso" é o nosso título de propriedade para o presente, bem como para o futuro.

Isso não significa que o cristão não faz nenhum trabalho de todo, porque toda a sua vida é um sábado. Pelo contrário, significa que sua obrigação é fazer, cada dia de sua semana de sete dias um sábado, tudo para a glória de Deus. Sua tarefa todos os dias, em casa, no trabalho e no campo específico do Evangelho é o trabalho daquele que o enviou. Este é o ideal apresentado perante os santos pelo seu Senhor. É de uma só peça com todas as suas revisões do antigo: o Senhor não pede menos, mas mais. É nos dito, não só não matar, mas não odiar ou ficar com raiva, não só não cometer adultério, mas também evitar o olhar lascivo, e agora, não para guardar um dia da semana, mas sete, como santos ao Senhor.

A. D. NORRIS

publicado por boasnovasreinodeus às 09:23
link do post | comentar | favorito
|

Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/

Contacto

Email para colocar questões ou pedir curso Bíblico grátis: curso_gratis@hotmail.com

pesquisar

 

Formspring

posts recentes

A HERANÇA DOS SANTOS É CE...

O Caminho da Vida - O que...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

O Sábado na Dispensação C...

Guardar o Sábado

Lúcifer - A verdade sobre...

POSSESSÃO DEMONÍACA

O Caminho da Vida - 1 - A...

O Diabo e Satanás

"... que sinal haverá da ...

"Vós sois as minhas teste...

Êxodo

Génesis

Céu e Inferno

Refutação - Sábado - Adve...

O Verdadeiro Sábado

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

arquivos

Maio 2013

Novembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

GeoCount


contador gratis

links

subscrever feeds