Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/
Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Uma Bíblia, muitas Igrejas... Importa aquilo em que acreditamos?

 
O título deste livro é em parte objetivo e em parte subjetivo: isto é, em parte, concreto e em parte uma questão de opinião. Uma Bíblia — Muitas Igrejas, certamente é indiscutível? Importa aquilo em que acreditamos? É certamente discutível. Parece razoável começar onde há probabilidade de haver a maior medida de consenso — que existe uma Bíblia. Certamente isto é manifestamente verdade? Claro que existem várias versões e muitas traduções - mas uma Bíblia, se o idioma é oriental ou ocidental, antigo ou moderno. O texto não está aberto a alterações, para criar harmonia com este ponto de vista ou aquele. Há centenas de estudiosos rápidos em detectar qualquer interferência no livro. Milhares de canetas estão prontas para indiciar qualquer tentativa de mexer com as palavras. A Bíblia é única, usando a palavra no seu sentido próprio - há uma Bíblia. Em cada nação é a mesma e a unidade da Bíblia está intacta.

Que há muitas igrejas parece igualmente evidente. Há alguns que dizem que há muitos nomes, mas a igreja é uma. Isto é um dispositivo verbal para ocultar as divisões. Os nomes diferentes que representam diferentes causas. É verdade que eles são parecidos em alguns aspectos, mas as diferenças são bastante reais. Há uma diferença de ensino entre uma igreja e outra, e, por vezes, a diferença é muito significativa, mesmo fundamental. Então, às vezes dentro da mesma igreja há ideias e práticas que contradizem umas às outras. Em qualquer caso, o efeito fala por si só - alguém que tenta encontrar a igreja verdadeira fica confuso e perplexo e é por fim forçado a chorar já que não consegue se decidir quando é confrontado com tantas igrejas diferentes agrupadas em torno de uma Bíblia. O problema é intensificado pelo facto de que as diferentes igrejas todas afirmam ter baseado as suas doutrinas na Bíblia. Como é que surgiu esta situação?

O Desenvolvimento das Diferenças

Quando os reformadores protestantes se opuseram e, posteriormente, se separaram da Igreja de Roma, o seu grito de guerra era "A Bíblia, toda a Bíblia e nada mais que a Bíblia". Subjacente a esse grito estava uma teoria de que se as pessoas pudessem ler a Bíblia por eles mesmos iriam descobrir a verdade sobre Deus e do Seu propósito, e largariam os seus velhos erros e, consequentemente, estariam unidos por uma fé comum.

Uma das grandes decepções do protestantismo foi que a teoria não funcionou. Em vez da unidade que seus fundadores esperavam, produziu no decorrer do tempo, uma diversidade de opinião e um número crescente de comunidades religiosas, todas em competição e alegando, de certa forma estarem fundadas sobre a Bíblia, resultando no caos religioso da cristandade de hoje. Uma das razões para o movimento ecuménico moderno é a consciência de que a existência de tantas igrejas diferentes é uma afronta ao próprio cristianismo. Que a liberdade pessoal, que era uma característica essencial da causa protestante produziu as mesmas coisas que o enfraqueceram. Supostamente, centradas em torno de uma Bíblia, as igrejas Protestantes, no decurso dos séculos multiplicaram as suas diferenças.

Estava a teoria errada - a ideia de que o ensino da Bíblia era tudo o que se necessitava, e que seria claro para homens de bom senso e boa vontade? O facto de que os resultados ficaram aquém do ideal, não torna a teoria falsa. Como será mostrado mais tarde, foram outros fatores que estragaram e limitaram o efeito unificador da verdade religiosa. As reivindicações da Bíblia sobre si mesma afirmam que o seu ensino é inclusivo e auto-suficiente. É Deus a falar aos homens. Ela proclama que Deus falou pelos Seus santos profetas, e agora, por fim, Ele tem falado pelo seu próprio Filho Jesus Cristo. O que foi falado, pelos profetas e através do Filho, para nós, está impresso nas páginas da Bíblia. Tirarem a Bíblia e, quanto a nós, Deus está em silêncio. Algumas pessoas religiosas afirmam ter tido visões e recebido revelações especiais, além da Bíblia, mas para a grande maioria de homens e mulheres não há nenhum sinal ou um sinal do céu. A voz do céu é ouvida nas frases impressas da Palavra de Deus nas Escrituras - e em nenhum outro lugar.

Considere o testemunho da Bíblia sobre a sua auto-suficiência. Nosso Senhor, muitas vezes repreendeu o povo da sua época - mas nunca  repreendeu-os pela leitura das escrituras, pelo contrário, ele os repreendeu por não agirem em conformidade com o que liam. Ele disse: "Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam. E não quereis vir a mim para terdes vida" (João 5:39-40,). Aos Saduceus, disse ele sobre a atitude daqueles em relação à ressurreição, "Errais, não conhecendo as Escrituras" (Mateus 22:29), e depois passou a dizer: "acerca da ressurreição dos mortos, não tendes lido o que Deus vos declarou, dizendo: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó? Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos." Jesus disse que isto era Deus falando à geração daqueles dias, e porque ignoravam-no estavam-se perdendo.

As Sagradas Escrituras

O apóstolo Paulo tinha um companheiro no ministério do evangelho chamado Timóteo - o filho de uma judia de Listra. Duas das epístolas de Paulo foram escritas para esse  jovem e numa delas, o apóstolo usou estas palavras: "desde a tua meninice, sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus" (2 Timóteo 3:15). A partir desta carta a Timóteo também vemos como ele recebeu o seu conhecimento precoce das escrituras: foi de sua mãe Eunice e Lois sua avó. Em Atos 17 existe um registo de como Paulo e Silas pregaram o evangelho aos judeus em Bereia. Eles receberam a palavra com alegria, mas testavam a verdade do que Paulo e Silas diziam e examinavam “cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim". Paulo não repreendê-os por fazerem isso, mas sim os elogiou pelo seu zelo.

Aos crentes de Tessalónica ele escreveu: "Examinai tudo. Retende o bem[o que é bom, RA]." (1 Tessalonicenses 5:21). Estas referências dão ênfase ao facto de que as escrituras são capazes e suficientes para ensinar a verdade sobre Deus necessária para a salvação e defender o direito e o dever do cidadão comum de ler as Escrituras por si mesmos.

É perfeitamente verdade que o apóstolo Pedro alertou os fiéis contra aqueles que distorcem as escrituras e fazem-nas significar algo que não o intencionado. Mas ele nunca os advertiu contra a leitura das escrituras, pois ele exorta-os "desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que, por ele, vades crescendo" (1 Pedro 2:1,2). O seu crescimento espiritual e maior conhecimento de Deus dependia de uma leitura atenta da Palavra da Verdade. Não há a menor sugestão de que, fazendo isso, eles estariam expostos ao perigo ou pudessem desviar-se da fé. Pelo contrário a característica essencial e central destas passagens é que as escrituras são capazes de ensinar aos homens a verdade sobre a salvação e que a verdade é compreensível por pessoas comuns. Segundo a Bíblia, então, a teoria dos Reformadores " estava correta, mas algo deu errado.

Muitas Igrejas

Como a Bíblia não se destina a esconder, mas para revelar, não causar confusão, mas para estabelecer a unidade, como veio a acontecer que a Bíblia ao ter sido disponibilizada a todos na língua de cada um e com o advento da liberdade religiosa, o cristianismo tornou-se uma multiplicidade de igrejas diferentes, resultando num caos religioso moderno? Em geral, dois fatores têm produzido este resultado infeliz. Em primeiro lugar, se a Bíblia deve ser entendida corretamente, é necessário chegar a ela com uma mente aberta, pronta para ser instruída e estar disposto a submeter-se ao seu ensino. O problema tem sido que muitas pessoas vieram com ideias preconcebidas, procurando nas suas páginas apoio para as doutrinas já formuladas a partir de outras fontes.
Tem havido uma tendência acentuada para as pessoas fazerem Deus à sua própria imagem - moldam as suas ideias sobre Ele segundo os seus próprios desejos, assim inventam um Deus de acordo com o que eles desejam que Ele seja, ao invés de como ele é revelado na Bíblia. Eles vêm     à Bíblia procurando apoio para um Deus auto-inventado e muitas vezes ficam satisfeitos de que a Bíblia os apoia.

Esta satisfação é garantida por uma leitura superficial de certas passagens das Escrituras, uma seleção caprichosa de partes da Bíblia que parecem ser favoráveis, e uma rejeição das partes que não o são. Além disso, as doutrinas são formadas ou apoiadas em textos isolados, sem referência ao ensino geral das Escrituras. Muitas vezes, as doutrinas tendem a estar isoladas umas das outras, como pacotes atados por separado, e o resultado final e lógica do seu ensino não é encarado com perspicácia. Assim, as discrepâncias e contradições não são trazidas à luz.

Em segundo lugar, algumas igrejas têm sido dominadas por certas doutrinas nas quais tem sido dada mais do que  a habitual ênfase, o que resultou no abandono do outros ensinamentos importantes. O resultado disto tem sido um ponto de vista deslocado e desequilibrado da verdade bíblica levando a falsas conclusões e a uma concepção desordenada da salvação.

No mundo religioso de hoje, portanto, seria impossível obter uma explicação clara e unânime do Reino de Deus, a autoridade e inspiração da Bíblia, o Segundo Advento de Jesus Cristo, a importância do batismo, a natureza da Igreja , o significado da Ceia do Senhor, a natureza do homem, a Ressurreição de Jesus Cristo e Vida Após a Morte. Igrejas que durante anos vêm ensinando ao povo uma teologia baseada na doutrina da imortalidade da alma, agora descobrem que alguns dos seus principais teólogos e escritores estão dizendo que esta doutrina não é bíblica, mas pagã; que a sobrevivência do indivíduo não acontecerá com a fuga da alma para o céu na morte, mas pela ressurreição do corpo na segunda vinda de Jesus Cristo.

Esta é a visão bíblica da natureza do homem, mas somente alguns acreditar nela. A Bíblia diz que o homem é mortal. Ela o diz de forma categórica e enfaticamente, e no entanto no mundo religioso há incerteza, dúvida e contradição deliberada. Isto só é  representante da confusão e multiplicidade de ideias que enfrenta o que procura a verdade religiosa e que tantas vezes enchê-o de desânimo e desespero, ou que cria uma indiferença levando à apatia e agnosticismo. Às vezes, essa indiferença se expressa na crença de que não importa qual a igreja que você assiste ou o que você acredita — com tantas para escolher, uma é tão boa quanto outra.

Será que isto tem Importância?

Como primeiro passo, aplique o teste do senso comum. Imagine alguém no hospital à espera de se submeter a uma operação cirúrgica e que vem a descobrir que o cirurgião que irá executá-la é da opinião que os princípios da cirurgia  não são importantes — o importante é pegar nos instrumentos e prosseguir com o trabalho. É quase certo que o paciente daria alta a si próprio no mesmo dia! Imagine alguém que se prepara para viajar de avião e descobre que o piloto pensa que não são importantes aos princípios da navegação aérea - a coisa realmente importante é colocar o avião no ar e ter confiança no senso de direção. É quase certo que o passageiro escolheria uma forma alternativa de transporte!

Estas ilustrações são, naturalmente, hipotéticas e ultrajantes. No entanto, quando se trata de religião, o que no caso da cirurgia e navegação é, obviamente, errado e perigoso, é muitas vezes aceite como razoável e inofensivo. Muitas pessoas mantêm o ponto de vista de que não importa o que você acredita sobre Deus, desde que você leve uma vida respeitável. Em face disto, isso parece sensato? É provável que Deus, que fez o mundo e o sustenta dia após dia por leis que são imutáveis e absolutas, seria indiferente à forma como os homens o vêm? Não seria razoável esperar que esse Deus estaria extremamente interessado no que homens e mulheres pensassem sobre Ele e como eles tratam a Sua palavra? Mas a verdade é que o homem não é deixado aos seus próprios sentimentos sobre este assunto. Deus falou e a Bíblia afirma ser a Sua palavra. É lá que Deus revela os princípios da verdadeira religião, princípios segundo os quais podemos chegar a Deus e ser aceites por Ele e receber a Sua salvação.

Após refletir, portanto, é tão perigoso e tão tolo negligenciar os princípios da verdadeira religião, como é negligenciar os princípios da cirurgia ou da navegação. A única diferença é que os resultados da negligência no caso da religião não são tão evidentes no início, mas no final são mais permanentes e irrevogáveis. No caso da religião, também, a vida de alguém está em jogo.

Que Dizer da Tolerância?

A tolerância religiosa é uma bênção quando isso significa liberdade de adorar a Deus, sem interferências, mas é algo menos que uma bênção, se infeta as pessoas com um tipo de daltonismo religioso que lhes rouba a capacidade de distinguir o preto do branco. Nos velhos tempos, quando homens e mulheres levavam a sério as suas crenças religiosas, estavam preparados para falar ousadamente sobre o que pensavam estar certo ou errado, mas agora, nesta era de abertura de espírito e de compromisso, a controvérsia religiosa é considerada algo fora de data, quase algo para se envergonhar. Posições intransigentes são tomadas com menos frequência - a moderação é a palavra chave e tudo o que é susceptível de atiçar as chamas da controvérsia é reprovado.

Em algumas secções, parece que a grande coisa não é chegar a conclusões definitivas sobre nada. “Discutir e analisar, mas nunca decidir.” “Algumas religiões podem ser melhores do que outras — mas todas religiões são boas.” “Escolha a que mais lhe convier e que faz sobressair o melhor de si e não faz mal aos outros.” Este ponto de vista tem a aparência de moderação e razoabilidade — mas contradiz o ensino da Bíblia. Intrínseco à religião verdadeira, como revelada na Bíblia, está a ideia de intolerância — ou seja, porque existe uma religião verdadeira,  o que está em oposição a ela e a contradiz deve ser falso. Este ponto de vista é intragável, mas para a mente honesta deve ser lógico.

Sobre o método de se aproximar de Deus, a Bíblia usa palavras que são imperativas e categóricas. Um exemplo está em Hebreus: “sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que é galardoador dos que o buscam.” (11:6). Observe as palavras impossível e necessário. O escritor não diz que é melhor para chegar a Deus com fé ou que é difícil chegar-se a Ele sem fé. Ele disse: “É impossível agradar a Deus sem fé e quem quer que venha a Ele tem que acreditar”. Estas palavras não permitem o via do meio. Quem vem a Deus tem que acreditar e não é bem-vindo sem fé. Isto provoca a pergunta: “Por que não posso ser como sou? O que há de errado comigo?” A Bíblia revela que Deus não está disposto a aceitar qualquer um por causa de sua bondade natural. É inaceitável e seria injusto. Alguns nascem em condições más e vivem em condições degradadas, de modo que a bondade natural é uma luta, outros nascem em condições boas e vivem num ambiente agradável, de modo que ser bom é bem mais fácil. Deus não aceita pessoas nessa base injusta.

A Base da Aceitação de Deus

Aos olhos de Deus todos são pecadores e a sua bondade é insuficiente para justificá-los na Sua presença. Existe apenas uma norma de retidão, santidade e justiça, e que é o padrão de Deus, e Deus não vai comprometer em tempo algum esse padrão, a fim de acomodar a inconstância dos homens e mulheres. O pecado hoje não é menos pecaminoso do que era nos dias de Noé, ou antes. Deus não passou de um Deus que odeia o pecado a um Deus que simplesmente o ignora. A bondade humana em comparação com o padrão de justiça de Deus é atrofiada e empobrecida. Não é bom chegar a Deus com o nosso "Cartão de pontos", que comprova que somos pessoas dignas, pagamos nossas dívidas e não prejudicamos o próximo. No contexto da respeitabilidade isso pode ser importante, mas no contexto da salvação é insignificante. A nossa pouca justiça não é um passaporte para o favor de Deus. A Bíblia ensina que temos que repudiar a nossa própria atrofiada moralidade  e confessar que não estamos à altura do padrão de Deus. Isto é chamado de Arrependimento.


Já que homens e mulheres não podem ser recebidos em função da sua bondade natural, que é inadequada e injusta, Deus recebe-os com base na sua fé. A fé que eles mostram é contada por ele como justiça. Esta é a grande doutrina da justificação pela fé e explica porque é impossível chegar a Deus sem fé, e por quem vem até Ele tem que acreditar. A fim de mostrar como opera este grande princípio o apóstolo Paulo pega no caso de um homem, Abraão. Abraão recebeu certas promessas de Deus que, no momento em que foram ditas, pareciam, humanamente falando, impossíveis de se realizarem. Mas Abraão teve fé nas promessas, apesar das aparências adversas e Deus contou isso como justiça:

“E não duvidou da promessa de Deus por incredulidade, mas foi fortificado na fé, dando glória a Deus; e estando certíssimo de que o que ele tinha prometido também era poderoso para o fazer. Pelo que isso lhe foi também imputado como justiça. Ora, não só por causa dele está escrito que lhe fosse tomado em conta, mas também por nós, a quem será tomado em conta, os que cremos naquele que dos mortos ressuscitou a Jesus, nosso Senhor, o qual por nossos pecados foi entregue e ressuscitou para nossa justificação.” (Romanos 4:20-25).

Paulo insiste que os princípios que operaram no caso de Abraão são os mesmos para cada homem que vier a Deus para salvação.

Fé na Palavra de Deus

A característica essencial do processo é a fé na palavra de Deus. Este é o início da nova vida, a base da verdadeira religião. O apóstolo Pedro diz “sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva e que permanece para sempre.” (1 Pedro 1:23). É por isso que tantas partes do Novo Testamento colocam em ênfase a necessidade de crença e fé:

“Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome” (João 1:11-12).

“Ora, sem fé é impossível agradar-lhe, porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia...” (Hebreus 11:6).

“Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo” (Marcos 16:15).

Fé ou Superstição

Como a fé é tão importante, é lógico que a fé que Deus requer não pode significar acreditar no que é falso ou inventado. A fé na qual Deus insiste é a fé no que é verdadeiro, porque a fé no que é realmente falso é superstição. A Bíblia diz: "Porque, como imaginou na sua alma, assim é" (Provérbios 23:7). Ela diz-nos que, em última instância as ações do homem estão condicionadas e regulamentadas por aquilo em que ele acredita, e, portanto, segue-se que uma crença falsa pode resultar numa vida falsa.

Os escritores do Novo Testamento sabiam disso e estavam constantemente exortando os crentes a agarrarem-se à verdade. Considere as palavras fortes que o apóstolo Paulo utilizou sobre este mesmo tema:

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema(=maldito). Assim como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo: se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.” (Gálatas 1:8,9).

Estas frases são solenes. Paulo pronuncia uma maldição dupla sobre aqueles que pregam a mentira. Este é um exemplo da “intolerância” já referida, e que é tão diferente da atitude moderna de tolerância fácil para as ideias sobre Deus, que são totalmente divergentes e, às vezes mutuamente destrutivas. Paulo insistia que o evangelho que ele pregava era a verdade e tudo o que o contradizia era mentira. Ele mantinha que havia um padrão definível da verdade sobre Deus e Seu propósito e os que se desviavam dele estavam em perigo.

É popular hoje dizer-se que a fé cristã não pode ser definida por proposições. É suposto ser demasiadamente pessoal e demasiadamente mística para isso. É este ponto de vista, que incentiva muitos a dizer que não importa o que você acredita ou a que igreja você pertence. Mas tal visão é manifestamente falsa, quando medida pelo ensinamento do Novo Testamento onde a Igreja é chamada de "coluna e firmeza da verdade." (1 Timóteo 3:15). Há um dever solene sobre cada crente de assegurar-se que a sua fé e a sua igreja estão construídas sobre essa fundação verdadeira, como é revelado na Bíblia.

Quando Jesus estava a falar com a  mulher Samaritana sobre a verdadeira religião, ele usou algumas palavras muito importantes:

“Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade, porque o Pai procura a tais que assim o adorem.” (João 4:23).

O que Jesus queria dizer era que a verdadeira religião não consiste em mera aparência exterior e ritos externos, nem apenas no desempenho de certos atos de louvor e submissão, mas sim, é uma condição interior, do espírito e não apenas da letra. Isso enfatiza a importância de viver de acordo com a maneira que Deus ordenou. É possível louvar a Deus com os lábios, mas em nossas vidas, desonrá-Lo. É possível cantar músicas de submissão e inclinar nossas cabeças em humildade e ainda em nossos corações ser tão orgulhosos como pavões. Provamos a verdade da nossa religião, pela obediência nas nossas vidas. A necessidade é de descobrir a verdade pela referência humilde à palavra de Deus, e aplicá-la na vida diária. Esta é a adoração "em espírito e em verdade".


Uma Questão de Vida ou Morte

A questão é preocupante não só para os interessados em teologia ou que gostam de um argumento religioso. É uma questão de vida ou morte para todos os que buscam a salvação. A questão de saber se é importante ou não encontrar a verdade só pode ser respondida com base nos princípios eternos revelados na Bíblia. Os princípios que regem a nossa aproximação de Deus são eternos: eles têm sempre sido válidos; são intemporais.

Em Levítico há um registro de dois homens que ignoraram os princípios de Deus e as suas vidas terminaram tragicamente. Nadabe e Abiú eram sacerdotes do Senhor e as suas vidas eram reguladas pelos mandamentos de Deus a respeito da Sua adoração:

“E os filhos de Arão, Nadabe e Abiú, tomaram cada um o seu incensário, e puseram neles fogo, e puseram incenso sobre ele, e trouxeram fogo estranho perante a face do SENHOR, o que lhes não ordenara. Então, saiu fogo de diante do SENHOR e os consumiu; e morreram perante o SENHOR.  E disse Moisés a Arão: Isto é o que o SENHOR falou, dizendo: Serei santificado naqueles que se cheguem a mim e serei glorificado diante de todo o povo.” (Levítico 10:1-3)

Os sacerdotes estavam certos em oferecer incenso diante do Senhor, e a maneira de fazê-lo foi cuidadosamente prescrita por Deus. Mas estes dois homens ignoraram os mandamentos de Deus e trouxeram fogo profano obtido de outra fonte que o altar do Senhor. Talvez tenha sido devido à negligência ou indiferença, ou apenas desobediência simples, mas Deus rejeitou sua adoração, porque foi feita de uma maneira Ele não tinha ordenado.

Algumas pessoas diriam que formas erradas deveriam ser desculpadas se o objetivo é correto — que os meios duvidosos são enobrecidos se o fim é bom. Mas isto não é  verdade, evidentemente, quando se trata de adorar a Deus. Esta história desmascara e condena a teoria de que os fins justificam os meios. Isso mostra que Deus não é indiferente aos  métodos que os homens inventam para adorarem na Sua presença. Certamente poderemos reivindicar o direito de agradar a nós mesmos, mas pode não agradar a Deus.

A Bíblia nos ensina repetidamente que a verdade não avança por meios fraudulentos, nem irá apoiar-se sobre fundações corruptas. Você não pode adorar a Deus por ter desobedecido a suas ordens. Nós não podemos glorificar a Deus por ser indiferente à sua vontade, mais do que poderia Nadabe e Abiú. Não adianta vir com "fogo estranho" Agora, mais do que era então. Deus não mudou de natureza ou finalidade. Aqueles que estão em sua presença para a adoração deve ser aqueles que se preocupou em obter informações sobre a Sua vontade e que têm uma paixão mestre de fazê-lo e obedecer a Sua palavra. O velho princípio que Moisés reiterou a Arão ainda é verdade: "Eu serei santificado naqueles que se cheguem a mim, e antes de todas as pessoas que eu seja glorificado." Se Deus é para ser glorificado Ele deve ser obedecido. Qualquer igreja que leva os homens a acreditar que a palavra de Deus não é confiável, ou que os Seus mandamentos podem ser ignoradas, ou que é uma questão de escolha, se acreditamos em certas doutrinas fundamentais, deve ser falsa porque, em última análise, ela ensina os homens a desobedecerem Palavra de Deus.

O Teste da Verdade

Não é um bom pretexto dizer que fomos enganados por outras pessoas. No supremo tribunal do céu  isto não é um motivo válido. Jesus disse: “Se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova” (Mateus 15:14). Não é bom, alegar que homens inteligentes e académicos nos ensinaram em que acreditar e o que fazer. O teste não é erudição, mas a verdade medida pela palavra de Deus.  Uma religião  inventada pelos homens não é de nenhuma maneira substituto para a religião de Deus, não importa quão engenhosa seja. Jesus deixou isso claro quando tomou as palavras de um antigo profeta hebraico e reforçou o seu significado:

“Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens” (Mateus 15:9).

Isto está muito longe do ensino religioso popular de hoje. Nos dias de hoje, há professores de destaque na cristandade que negam o ensino da Bíblia sobre Deus e sobre o Seu propósito, que rejeitam a realidade da ressurreição de Cristo, que lançam dúvidas sobre a autoridade da Palavra de Deus, e diluem os Seus mandamentos. A moral é que não devemos ficar muito impressionados com as credenciais dos 'eruditos'. Sempre que obras académicas sãi fiéis à palavra de Deus e nos ajudam a compreendê-la melhor, devemos estar gratos por isso, mas a Bíblia nunca sugere que a inteligência humana é o passaporte para o conhecimento divino. Em vez disso, diz-nos que a verdade revela mais do seu rosto àqueles que são humildes e contritos de espírito.



O Ensino Bíblico

As grandes doutrinas da fé cristã são baseadas em factos. Negue os factos e você falsifica a doutrina. Negue o nascimento virginal de Jesus Cristo, e ele se torna no filho de José e não no Filho de Deus: torna-se num homem do seu tempo e nada mais. Negue a ressurreição física de Jesus Cristo e ataca o próprio fundamento da fé e faz dos apóstolos de Cristo testemunhas falsas, e deixa os mortos em seus túmulos para sempre. Negue o facto de que Cristo operou milagres de verdade e ele é roubado da sua autoridade e o verdadeiro estatuto, porque ele disse que os milagres eram sinais de que tinha recebido autoridade de Deus. No final, o que procura a verdade tem que mostrar um espírito de independência e olhar atentamente para o ensino da própria Bíblia, em vez de aceitar as conclusões em segunda mão.

Uma das primeiras coisas que o Novo Testamento enfatiza é que as doutrinas podem ser definidas. Às vezes, nos dias de hoje é dito que a fé cristã não pode ser declarada com firmeza e que é algo místico, que não pode ser analisado. Se isso é verdade, eis aqui algo estranho - o apóstolo Paulo na carta aos Gálatas fica espantado que alguns deles se afastaram da verdade e que se tenham desviado para outro evangelho. O ponto a observar é: como se pode dizer que alguém se afastou a partir de algo se algo não pode ser definido? Certamente o ensino do Novo Testamento é que há um padrão objetivo definível pelo qual pode ser-se julgado. Agora, se o Senhor Deus teve um grande cuidado em revelar a verdade sobre Si mesmo e sobre o Seu propósito é ilógico comportarmo-nos como se isso não tivesse importância, e que as pessoas podem agradar-se a si próprias sobre o que eles acreditam.

No Antigo Testamento há uma passagem que claramente estabelece este assunto:

“Mas eis para quem olharei: para o pobre e abatido de espírito e que treme diante da minha palavra” (Isaías 66:2).

Tremer diante da palavra de Deus significa compreendê-lo, acreditar nela e obedecê-la. As pessoas não têm o direito de se agradar a si mesmas se as leva a ser indiferentes ao que Deus revelou. Homens e mulheres deveriam olhar com cuidado e sinceridade para suas crenças.

Doutrinas Vitais a serem Descobertas

Aqueles que responderam à exortação de examinar a sua própria religião e medi-la pela palavra de Deus têm sido muitas vezes surpreendidos ao descobrir que as coisas que acreditaram durante toda a sua vida eram falsas! O autor reconhece que esta foi a sua experiência: este processo expôs a falsa doutrina da imortalidade da alma e as suas ideias associadas sobre o destino da alma após a morte. Trouxe liberação das doutrinas de demónios e diabos e espíritos desencarnados e, em vez disso trouxe à luz o verdadeiro  e vital significado da ressurreição como método de sobrevivência, na segunda vinda de Jesus Cristo como Rei do Mundo. Trouxe esclarecimento e entendimento sobre o reino de Deus - uma constatação de que é um verdadeiro reino a ser estabelecido na terra, no lugar  do reinos dos homens que estão decaindo em ruína. E abriu a perspectiva de vida eterna, uma vida sem mácula do pecado e incansável por qualquer deficiência, uma vida imortal e maravilhosa, para ser vivida com Cristo no Reino de Deus.

Trouxe também a convicção séria de que um dos mandamentos mais solenes do Senhor nunca foi obedecido: o ser batizado. Com uma compreensão da doutrina bíblica sobre o batismo tornou-se evidente que o que já tinha passado por batismo sob a forma de aspersão estava completamente fora de sintonia com a doutrina e prática bíblica. A palavra de Deus demonstra que o batismo é um ato de obediência, que resulta da fé - um enterro voluntário em água como sinal da morte da vida antiga, e uma ressurreição da água para uma nova vida de obediência.
Nos dia da igreja primitiva muitos crentes foram apedrejados, espancados, sujeitos à fome, caçados, perseguidos e finalmente martirizados. Eles suportaram tudo isso porque eles acreditavam que o que tinha para dizer era vital. Nas palavras de Pedro: "Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens". Se não importa o que nós acreditamos ou com quem nós adoramos, então eles estavam errados na sua determinação de pregar a verdade a todo custo.

Exemplos de Fé Viva

É proveitoso observar como os apóstolos colocam em prática os princípios já enunciados sobre a importância de conhecer a verdade revelada por Deus. Há um caso interessante em Atos 10, sobre um homem chamado Cornélio. O registo diz que ele era um homem piedoso e temente a Deus assim com toda a sua casa. Ele orava sempre a Deus e dava muitas esmolas ao povo. Deus enviou Pedro para encontrar este homem e seus companheiros e pregar-lhe a verdade sobre Cristo e seu reino. Quando eles ouviram e creram foram batizados no nome salvador do Redentor. O motivo de que isto é tão interessante é que Cornélio era um homem tão bom em todos os sentidos, temendo a Deus, orando regularmente, e vivendo uma vida correta e generosa. Mas, apesar de tudo isso, ele precisava saber a verdade e responder a ela, a fim de ser salvo. Pelos padrões de hoje, muitas pessoas diriam que ele era bom o suficiente, mas a narrativa prova que não importa o que ele acreditava. Ele precisava de saber a verdade para que ele pudesse responder em fé.

Há um caso significativo em Atos 8, que diz respeito a um homem que pelos padrões de hoje seria chamado de um leitor da Bíblia e um paroquiano regular. Ele era um etíope, retornando à sua terra natal após culto no templo em Jerusalém. Ele estava sentado na sua carruagem lendo Isaías 53. Um anjo orientou Filipe para ir falar com o Etíope e ajudá-lo na sua compreensão do que ele estava a ler. Então Filipe juntou-se ao homem no seu carro e explicou-lhe a verdade sobre Jesus Cristo. À medida que prosseguiam na jornada eles chegaram a um pouco de água e, o etíope pediu para ser batizado. Filipe respondeu: "É lícito se crês de todo o coração". Mais uma vez é salientado que a fé é essencial no processo de conversão.

O terceiro exemplo tem a ver com Apolo, um homem de grande eloquência, "poderoso nas Escrituras" (Atos 18:24), disse ter sido instruído no caminho do Senhor, fervoroso de espírito. Mas o registo deixa bem claro que era preciso fazer mais. Dois discípulos, Áquila e Priscila, "tomaram-no consigo e, com mais exatidão, lhe expuseram o caminho de Deus." Era uma questão de vital importância que ele entendesse o caminho de Deus mais perfeitamente.

Então é assim - um homem piedoso que orava todos os dias e vivia uma vida de fé, um homem que lia a Bíblia e que adorava a Deus com reverência, um homem poderoso nas Escrituras, fervoroso de espírito e pregava diligentemente em todas as ocasiões. Nenhum desses exemplos dá algum suporte à ideia de que as pessoas religiosas podem agradar-se a si mesmas sobre aquilo em que acreditam. Pelo contrário, a prova é que aqueles têm são sério em relação à sua religião devem tomar cuidado para que a base da sua fé esteja em harmonia com o ensino da palavra de Deus. A fé que salva é a fé no que é verdadeiro. Qualquer outro tipo de fé se mostrará vã.

"Uma Bíblia, muitas igrejas." Será que importa qual? Em última análise, a resposta dependerá do que se procura. Se a busca é por amizade, ou para satisfazer a crença de que se deve adorar em algum lugar -, então a resposta é não, provavelmente não importa. A resposta é sim, no entanto, se a procura é a vida eterna, e uma forma de adoração aceitável a Deus.


DENNIS GILLETT

publicado por boasnovasreinodeus às 11:46
link do post | comentar | favorito
|

Fórum em Português

!!!!!NOVO!!!!! Fórum em Português onde você pode estudar a Bíblia, colocar questões e debater temas Bíblicos. http://www.bibliaaberta.comeze.com/phpBB3/

Contacto

Email para colocar questões ou pedir curso Bíblico grátis: curso_gratis@hotmail.com

pesquisar

 

Formspring

posts recentes

A HERANÇA DOS SANTOS É CE...

O Caminho da Vida - O que...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

AS TRANSFUSÕES DE SANGUE ...

O Sábado na Dispensação C...

Guardar o Sábado

Lúcifer - A verdade sobre...

POSSESSÃO DEMONÍACA

O Caminho da Vida - 1 - A...

O Diabo e Satanás

"... que sinal haverá da ...

"Vós sois as minhas teste...

Êxodo

Génesis

Céu e Inferno

Refutação - Sábado - Adve...

O Verdadeiro Sábado

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

Os Cristadelfianos - Em q...

arquivos

Maio 2013

Novembro 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

GeoCount


contador gratis

links

subscrever feeds